Cambistas e camelôs fazem a festa na entrada da Cidade do Rock

Ao desembarcar de ônibus na Avenida Salvador Allende, o desafio dos milhares de fãs que chegam para curtir as atrações musicais na Cidade do Rock não é apenas andar 1,5 km até chegar ao portão principal do festival. Para adentrar a Cidade do Rock, tem que ter muita paciência para driblar as centenas de camelôs (todos autorizados pela organização do evento) e os cambistas que vendem ingressos por R$ 400, mesmo diante de dezenas de guardas municipais. Os agentes parecem não notar o que o público vê até de longe.

"Ingresso para hoje, ingresso para hoje! Tem Joss Stone e Stevie Wonder e ainda pode andar de graça nos brinquedos", anunciava um dos vendedores ilegais, a menos de 100 metros de um guarda municipal, que parecia não perceber a ação do grupo.

Apesar dos camelôs estarem autorizados a venderem bebidas para os fãs que faziam fila para entrar no evento, muitos aproveitaram para vender camisetas não oficiais do Rock in Rio, o que não está autorizado pela organização do evento. 

"Eles aproveitam que estão com o colete vermelho e vendem tudo o que podem. Não está certo, mas rola um esqueminha. Tanto é que o guarda municipal nem pega ninguém dessa área aqui", contou informalmente um camelô que vendia apenas bebida e não quis participar  da venda ilegal de outros produtos.