Autoestrada Grajaú-Jacarepaguá é liberada ao tráfego

A Autoestrada Grajaú-Jacarepaguá foi liberada nos dois sentidos, depois de permanecer interditada por mais de 5 horas, para uma operação contra o tráfico de drogas e roubo de cargas no Complexo do Lins. Na ação, um policial militar ficou ferido, mas sem gravidade. Ele foi medicado e já está liberado do hospital.

Uma outra operação contra o tráfico de drogas acontece em seis favelas de Jacarepaguá. Ao todo, 5.370 homens participam da ação, sendo 4.600 das Forças Armadas, 420 da Polícia Militar e 350 da Polícia Civil.

Homens do Exército e da Marinha cercam às comunidades da Cidade de Deus, Gardênia Azul, Outeiro, Vila do Sapê, Parque Dois Irmãos e Morro da Helena. A ação envolve cerco, estabilização dinâmica da área e remoção de barricadas. Várias delas já foram destruídas pelas equipes de engenharia dos Fuzileiros Navais, na Cidade de Deus, com auxílio de retroescavadeiras e caminhões basculantes usados para remover o entulho.

Em Jacarepaguá, a ação não tem hora para terminar. Um balanço parcial informa que 13 armas foram apreendidas, sendo dez pistolas automáticas, três fuzis, além de uma quantidade de drogas ainda não contabilizada. Um homem morreu em confronto com as forças de segurança.

>> Operação contra o tráfico no Rio fecha Autoestrada Grajaú-Jacarepaguá

Sumiço de arma

O Comando Militar do Leste (CML) informou que desapareceu a pistola do batedor do Exército que morreu ao atropelar um homem na Avenida Brasil, na altura do Complexo da Maré, nesta quinta-feira (7) pela manhã. No canteiro divisório das pistas ficam diversos viciados em crack. O homem atropelado também morreu.

Durante a perícia técnica foi verificado que a arma do Exército usada pelo militar sumiu. O militar era motociclista do Exército e fazia a escolta do comboio das Forças Armadas que atuaria numa ação contra o crime organizado em seis favelas de Jacarepaguá, na zona oeste do Rio.

De acordo com o CML, o armamento de uso do militar não foi identificado entre os pertences da vítima. Um Inquérito Policial Militar (IPM) será instaurado para apurar as circunstâncias do acidente e o desaparecimento do armamento.