Meirelles diz que plano de recuperação fiscal para o Rio é viável

 Acordo entre Estado e União deve ser assinado na semana que vem

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou na quarta-feira (11/01) que o acordo de recuperação fiscal do Rio de Janeiro é viável e deve ser assinado até o final da semana que vem. Segundo Meirelles, as contrapartidas pelo governo do Rio ainda estão em discussão e serão anunciadas quando o plano for concluído. 

- Até agora nós estávamos discutindo a possibilidade de um acordo. Agora concluímos, depois de um trabalho exaustivo, detalhado, de análise de todos os números do Rio de Janeiro e todas as implicações legais e possibilidades, portanto, o acordo é viável e concluímos que teremos todas as condições de fechá-lo. Agora vamos trabalhar no detalhamento do mesmo, algo que deve demandar mais uma semana de trabalho. O que nós já definimos é que existe um amplo campo de redução de despesas, de reestruturação das dívidas e de também possível concessão de empresas – afirmou Meirelles. 

De acordo com o ministro, também está em estudo a concessão de novos empréstimos ao Rio através de instituições financeiras. 

- O governo em si não vai conceder novos empréstimos, mas é possível que se estruturem operações com entidades financeiras. O Banco do Brasil está participando ativamente das negociações e vai participar dentro das possibilidades de uma organização financeira que atende a todas as normas prudenciais. Está atuando com toda a responsabilidade, mas, evidentemente, procurando fazer aquilo que é possível – concluiu. 

Segundo o governador Luiz Fernando Pezão, o acordo é uma garantia de que o estado terá uma situação financeira equilibrada no futuro. 

- Eu acho que é um avanço para o Rio de Janeiro extraordinário. O Rio volta a ficar um estado viável e é um estado que não vai ficar mais só na dependência do petróleo. Um estado que vai poder honrar seus compromissos, pagar a sua folha em dia. Isso tudo a gente já consegue dentro desse acordo. Então para o Rio de Janeiro é uma conquista muito grande – destacou Pezão. 

Após a conclusão do plano, as medidas serão submetidas ao Supremo Tribunal Federal. 

Também participaram da reunião no Ministério da Fazenda os secretários de Estado da Fazenda, Gustavo Barbosa, e da Casa Civil, Christino Áureo, além da equipe econômica do governo federal. Depois o governador Luiz Fernando Pezão e o ministro Henrique Meirelles seguiram para o Palácio do Planalto para apresentar o plano para o presidente Michel Temer. 

Leia Também

> > 'El País': Protofascismo defende morte de presos no Brasil

> > 'Financial Times': Após "pavoroso acidente", Brasil vê melhora na economia

>> 'Deutsche Welle': Vice-presidente da Samsung é acusado de corrupção

> > 'WSJ': Entre Trump e Raúl Castro, futuro do setor privado de Cuba é incerto

> > 'Clarín': Macri falou a Temer quem vem ao Brasil dia 7 de Fevereiro