Samba-enredo é considerado patrimônio imaterial da cidade do Rio de Janeiro 

No ano de comemoração do samba, estilo musical é o 55º bem imaterial da cidade

O Samba-enredo, gênero musical tipicamente carioca, é o mais novo patrimônio imaterial da cidade do Rio. Nesta sexta-feira (30), o prefeito Eduardo Paes publicou decreto de reconhecimento do estilo no ano de comemoração do centenário do samba. Com isto, o Rio de Janeiro conta com 55 bens imateriais chancelados pelo município.

“O samba é uma manifestação cultural importante da cidade e está completamente vinculada à história do Rio de Janeiro. É um reconhecimento justamente no ano em que o samba completa cem anos. Qual é o carioca que não conhece pelo menos uma letra de samba?”, destaca Washington Fajardo, presidente do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH).

O decreto considera a importância de se preservar a memória cultural da cidade por meio de suas formas de expressão e também destaca que as escolas de samba já são consideradas patrimônio imaterial e que o carnaval é a maior festa de rua da cidade.  

O IRPH inscreverá o bem cultural no Livro de Registro das Formas de Expressão da cidade e a chancela valerá por 10 anos.

A listagem dos bens imateriais da cidade conta com a Bossa Nova, as escolas de samba, os blocos carnavalescos Cordão da Bola Preta e Cacique de Ramos, a obra literária de Machado de Assis, o Centro Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas, os vendedores de mate e biscoitos de polvilho das praias cariocas, as festas de Iemanjá, diversos bares tradicionais da cidade, a tradicional procissão de São Sebastião, a Bênção dos Barbadinhos, as marchinhas do carnaval, o frescobol, a Umbanda, entre outros.

De acordo com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), são considerados patrimônio imaterial práticas, representações, expressões,  conhecimentos e técnicas que as comunidades, grupos e indivíduos reconhecem como parte integrante de seu patrimônio cultural.