Com 2895 mortes, Rio é o quarto estado no ranking de óbitos por acidente de trânsito

Apesar de ser a região que concentra a metade da frota do país, o Sudeste tem o menor número de óbitos no trânsito a cada 100 mil habitantes. Segundo os dados mais recentes, em 2014, foram 18,3 mortes, como mostra o relatório “Retrato da Segurança Viária 2016”, feito pela Ambev em parceria com consultoria Falconi. No entanto, esse dado é 3,4% maior em comparação com o ano de 2013. Outro ponto positivo da região foi a avaliação das estradas. Segundo a pesquisa, 52% das vias receberam avaliação boa ou ótima, percentual de qualidade mais alto entre as cinco regiões do país. 

No cenário nacional, o índice de óbitos por 100 mil habitantes salta para 21,9. Em 2014, 44.471 brasileiros perderam suas vidas em acidentes viários e o número absoluto de feridos cresceu 5,9% em relação a 2013, chegando a mais de 203 mil. No mesmo período, os feridos por 100 mil habitantes aumentaram 5%. De 2003 a 2014, mais de 477 mil brasileiros morreram nas ruas, avenidas e estradas e mais de 1,7 milhão ficaram feridos.

Com o objetivo de auxiliar a elaboração de políticas efetivas de combate aos acidentes de trânsito, o material oferece um cruzamento inédito de dados de entidades como Associação Nacional dos Transportes Públicos (ANTP), Datasus (Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde), Departamento de Trânsito (Denatran), Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), além da Organização Mundial da Saúde (OMS). “Queremos e podemos ser parte da solução por um trânsito mais seguro para todos. Temos uma das maiores frotas do país e desenvolvemos tecnologias e treinamentos exclusivos capazes de mapear e mudar comportamentos de risco para garantir a segurança de toda nossa força logística. Além disso, também atuamos na prevenção o uso indevido da bebida alcoólica que, quando associada à direção, também se torna um fator de risco no trânsito”, esclarece Pedro Mariani, vice-presidente de relações corporativas da Ambev.

O relatório “Retrato da Segurança Viária” mostra ainda que, nos 12 anos analisados, os acidentes com motos passaram a ser a principal causa de morte no trânsito, subindo de 19% para 37% do total de vítimas fatais. Enquanto isso, o número de feridos entre motociclistas quase quadruplicou: de 31.073 para 119.846. Em 2003, os acidentes fatais com pedestres eram a maioria, representando 43% do total. Os carros de passeio apareciam na sequência, 29%. De acordo com os dados mais recentes, 24% dos acidentes que levam a óbito são com pessoas a pé e 32% com carros.              

Há bastante tempo, a Ambev realiza ações, como doação de bafômetros e campanhas de conscientização para promover a segurança no trânsito. Com o Retrato de Segurança Viária, a cervejaria resolveu ir além para construir uma base de dados consolidada sobre essa questão. “São inúmeras as ações para que mudanças efetivas aconteçam e o trabalho em rede, aliado a uma base de dados confiável e sólida como a desse retrato, é fundamental para que elas sejam levadas à prática”, pontua Mariani. A partir daí, a Ambev liderou a formação de uma coalizão com agentes privados, públicos e da sociedade civil. O primeiro fruto dessa coalizão nasceu do engajamento do Governo do Estado de São Paulo, que articulou e vem executando o Movimento Paulista de Segurança no Trânsito. Recentemente, o Governo do Distrito Federal também iniciou, com apoio da cervejaria, um projeto semelhante com o programa Brasília Vida Segura.

A análise do Rio de Janeiro

O Rio de Janeiro ocupa o quarto lugar no número de óbitos por acidente de trânsito entre os estados brasileiros. 

O estado do Rio de Janeiro apresentou 2.895 óbitos em 2014, alta de 8,2% com relação ao ano anterior. Ele é o estado que apresenta, proporcionalmente, o maior número de óbitos de pedestres, cerca de 47% das pessoas mortas foram atropeladas. 

A cidade do Rio de Janeiro é a segunda no ranking de maior número de óbitos por acidente de trânsito. Em 2014, foram 1039 vítimas fatais.

As três piores cidades do Rio de Janeiro com taxa de óbito por 100 mil habitantes são:

*Silva Jardim – 70,3

*Piraí – 61,6

*Miguel Pereira – 48,6

As três melhores cidades do Rio de Janeiro com taxa de óbito por 100 mil habitantes são:

*Belford Roxo – 1,9

*São João do Meriti – 2,0

*Mesquita – 3,5