Polícia Federal faz operação em joalherias onde Cabral fazia compras

De acordo com o MPF, ex-governador era cliente de joalheria com sede na Zona Sul

Na tarde desta sexta-feira (15), a Polícia Federal (PF) realizou uma operação em duas filiais da joalheria Antônio Bernardo, nos bairro do Leblon e da Gávea, na Zona Sul do Rio. De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), era nessa joalheria que o ex-governador, Sérgio Cabral, comprava jóias. Os agentes buscavam nas lojas documentos e outras informações sobre vendas de jóias que o MPF crê ter sido feitas por Cabral e a esposa dele, Adriana Ancelmo.

De acordo com os procuradores, a joalheria prestou informações que não foram consideradas satisfatórias. O juiz Marcelo Bretas expediu a ordem de busca na última quinta-feira (24).

De acordo com um depoimento colhido por agentes da operação que culminou com a prisão de Cabral, a loja foi citada como o local onde o ex-governador comprava jóias. A última compra teria sido um colar de ouro avaliado em cerca de R$ 10 mil, feita há dois anos, paga em dinheiro por homem desconhecido.

Durante a operação, a Polícia Federal realizou a apreensão de quase 300 joias. Os peritos estão avaliando as peças para saber se são autenticas e qual o valor de mercado. 40 das jóias apreendidas estavam no apartamento onde Sérgio Cabral morava com a esposa. Outras foram encontradas em posse de outras pessoas do grupo que está sendo investigado. De acordo com a joalheria Antônio Bernardo, quem escolhia as peças era o próprio ex-governador e sua esposa, Adriana Ancelmo.