Polícia realiza ação para prender empresários que vendiam água imprópria para escolas

A Polícia Civil, por meio da 62ª Delegacia de Polícia de Imbariê, realizou, neste sábado (8), a segunda etapa da Operação Hidra, em decorrência de uma investigação feita para apurar a fraude na concorrência para fornecimento de água potável para as escolas estaduais de Duque de Caxias. A ação tinha como objetivo o cumprimento de quatro mandados de prisão dos proprietários das empresas envolvidas no esquema fraudulento.

De acordo com o delegado de polícia Marcos Gomes Santana, responsável pela investigação, na primeira etapa da operação Hidra foram cumpridos mandados de busca e apreensão nas residências e nas sedes das empresas de Hélio Marcelo dos Hélio Marcelo dos Santos Ramos, Reinaldo Souza Rocha e Raul de Souza (irmão de Reinaldo), respectivamente proprietários das empresas H.M. dos Santos, Bio Água e R. de Souza Serviços e Transportes.

Foram apreendidas notas fiscais de entrega de águas nas escolas, dentre outros documentos que comprovavam que as empresas de cada um dos citados e mais uma quarta empresa, de propriedade de Raul Júnior Nascimento de Souza (filho de Raul), fraudavam a concorrência para fornecimento de água potável para as escolas estaduais da região.

A fraude consistia no fato de as empresas apresentarem simultaneamente as três propostas para as escolas, combinando dessa forma os valores nas propostas e decidindo quem seria o vencedor.

Em prosseguimento às investigações, a Polícia Civil descobriu que, além das fraudes de concorrência, os indiciados também forneciam às escolas água imprópria para consumo humano, que era captada em uma piscina em um sítio localizado no Bairro Taquara, de Duque de Caxias e em poços artesianos em Xerém, também em Caxias.

Com base nas provas reunidas, o delegado indiciou os suspeitos pelos crimes de estelionato e venda de água imprópria para consumo humano. Embora as buscas tenham sido feitas, os quatro suspeitos não foram encontrados e estão sendo considerados foragidos da Justiça.

Quem tiver qualquer informação que possa auxiliar na localização dos quatro autores pode entrar em contato com a Central de Atendimento ao Cidadão (CAC) pelos telefones (21) 2334-8823 e 2334-8835 e pelo chat httpss://cacpcerj.pcivil.rj.gov.br. A denúncia também pode ser encaminhada ao Disque-Denúncia 2253-1177.