Disque Denúncia divulga cartaz de sogra que matou genro com ajuda de cúmplice

O Portal dos Procurados do Disque Denúncia, divulga nesta segunda-feira (22/06), o cartaz com as fotos de Alexandra Tognoc da Costa e Maria Lêda Félix da Silva. Elas são acusadas do espancamento e ocultação do cadáver de Wilson da Silva Tognoc, de 27 anos. Alexandra teria cometido o crime com ajuda de Maria Lêda, de quem é companheira. O Portal dos Procurados está oferecendo uma recompensa de R$ 1 mil por informações que levem a prisão de cada acusada. 

Wilson foi dado como desaparecido no dia 16 de janeiro e seu registro de desparecimento foi feito na 33ª DP (Realengo). Porém quatro dias depois, o corpo da vítima foi encontrado enterrado em um morro que fica atrás de sua casa, na comunidade 77, em Padre Miguel, na Zona Oeste do Rio. 

De acordo com a Divisão de Homicídios do Rio de Janeiro, Alexandra e Maria Lêda estiveram em um churrasco na casa de vizinhos nas proximidades de suas residências, até as 21h. Elas teriam saído do evento, alegando que comprariam cerveja em um bar, que fica localizado na mesma rua, mas, as duas mulheres só retornaram quase duas horas depois. E segundo as investigações, elas teriam neste intervalo, cometido o crime. 

Ainda segundo as investigações da DH, o motivo do crime foi uma desavença por causa de uma rede de esgotos e uma dívida de R$ 5 mil de Alexandra, o que teria motivado o homicídio de seu genro. Wilson era casado há um ano com a filha de Alexandra, uma menor de 16 anos. Gilson Félix da Silva, irmão de Maria Lêda, foi preso por ajudar na ocultação do cadáver de Wilson. 

Em desfavor de Alexandra Tognoc e Maria Lêda foi expedido mandado de prisão pelo Juízo da Comarca da 4ª Vara Criminal da Capital, decretando a prisão temporária de 30 dias das denunciadas, qualificadas nos autos. O Disque Denúncia orienta que qualquer informação sobre a localização da dupla devem ser enviadas para o Portal dos Procurados, em vídeo, texto ou fotos para o WhatsApp (21) 96802-1650, ou pelo telefone da Central Disque-Denúncia: (21) 2253-1177 ou 0300-253-1177, para quem estiver fora da capital. E o órgão garante o anonimato do denunciante.