Fraude nas prefeituras de Itaguaí e Mangaratiba pode ter chegado a Niterói

O esquema de fraude de licitações nas cidades de Mangaratiba e Itaguaí, deflagrado pela Polícia Federal e pelo Ministério Público pode ter agido também em Niterói, segundo documentos da Prefeitura. Segundo reportagem do RJTV, esses documentos mostram possíveis irregularidades envolvendo licitações de contratos milionários. 

Uma licitação no valor de R$ 30 milhões aberta em janeiro do ano passado teve como concorrentes quatro empresas, entretanto, duas delas, a Translar e a Arkitec, são apontadas como pertencentes ao mesmo grupo de empresários. 

Entre os principais indícios está um "contrato de gaveta" assinado em maio de 2014. No documento, sócios da Arkitec oficializam a venda de 90% da empresa para a Nazafon, de propriedade de Ronaldo de Faria Abdala que, oficialmente, é sócio da Translar. O contrato assinado entre os sócios não foi registrado na Junta Comercial. 

No inquérito da Polícia Federal, Abdala foi apontado como o empresário que pagava propinas a Luciano Mota, à época, prefeito de Itaguaí pelo PSDB e que foi afastado pela Justiça por estar sob investigação por desvio de dinheiro público. 

A Arkitec e a Translar continuam prestando serviços em Niterói, com contratos no valor de R$ 50 milhões. Somente a Translar, entre 2007 e 2012, recebeu do município a quantia de R$ 300 milhões, segundo o Tribunal de Contas da União (TCU).