Rio de Paz faz ato público em memória de PMs mortos 

Na próxima terça-feira, a partir das 6h, o Rio de Paz realizará na praia de Copacabana, em frente à avenida Princesa Isabel, um ato público em memória dos policiais militares assassinados nos últimos dois anos.

Nas areias da praia, serão fincadas 161 cruzes pretas, cujo número corresponde à soma dos policiais militares que sofreram morte violenta entre 2013 (80) e 2014 (81). Fotos de todos eles serão fixadas ao lado das cruzes. Ao fundo, será levantada uma cruz de três metros de altura, formada com os uniformes da Polícia Militar manchados de tinta vermelha. Um cartaz será posto na frente da instalação, com o seguinte dizer: "Em memória dos policiais militares que tombaram pela população do Estado do Rio de Janeiro".

A manifestação será marcada por um ato solene, que terá início às 11h. Dezenas de policiais militares uniformizados, entre os quais homens que carregam graves sequelas físicas em razão dos ferimentos sofridos em combate, depositarão flores nas fotos dos companheiros de profissão que foram mortos. 

O objetivo da manifestação é cobrar das autoridades públicas medidas que visem impedir que mais mortes aconteçam, que tornem dignas as condições de trabalho dos policiais e que amparem os familiares dos policiais mortos. Um pedido de audiência com o governador do Estado do Rio de Janeiro será feito pelos policiais militares e pelo Rio de Paz, visando apresentar formalmente as principais reivindicações dos policiais militares.

"Essa é a oitava manifestação pública que fazemos em favor dos direitos dos policiais militares. Foi motivo de honra termos sido procurados por eles para organizar esse ato público. Lutamos por um conceito de direitos humanos que inclua a vida dos policiais militares do Rio de Janeiro, que exercem em condição desumana atividade profissional de altíssimo nível de complexidade. Quem tem pagado mais do que eles pelo sonho da paz?", diz o presidente do Rio de Paz, Antônio C. Costa.