Cúpula de segurança do Rio se reúne para tratar de violência contra policiais

O número de policiais mortos este ano tem preocupado a cúpula da segurança pública do Rio. De janeiro a novembro, 105 policiais militares foram mortos, dos quais 17 em serviço e 88 de folga, a maioria deles por reagir a ação de criminosos. Para tratar da questão da questão da segurança, o secretário José Mariano Beltrame se encontrará hoje (1º), com o comandante-geral interino da Polícia Militar, coronel Íbis Pereira, e o chefe da Polícia Civil, delegado Fernando Veloso, além de integrantes de órgãos de inteligência. O objetivo é avaliar ações de respostas imediatas ao crime organizado.

A morte, na última sexta-feira (28), do cabo do Exército Michel Mikami, de 21 anos, no Complexo da Maré, levou o governador Luiz Fernando Pezão a anunciar que pretende conversar com a presidenta Dilma Rousseff e o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. Ele quer manter a Força de Pacificação no local após o dia 31 de dezembro, prazo inicialmente previsto para a saída das tropas federais. Segundo o governador, a ideia é que a Força de Pacificação continue ocupando a região até a formatura de novos policiais militares.

>> Secretário de Segurança Pública convoca reunião com policiais civis e militares

>> Onda de violência: três policiais são mortos na noite deste sábado, no Rio

"Uma comunidade [Complexo da Maré] ao lado da Avenida Brasil, da Linha Vermelha, perto do Galeão, que tinha um nível de violência inimaginável. Uma região que o tráfico dominou por mais de 30 anos. Isso mostra a dificuldade que nós temos. E, se não fosse essa parceria com a presidenta Dilma e as Forças Armadas, dificilmente conseguiríamos ter êxito na nossa política de pacificação", avaliou Pezão.

A Polícia Militar já formou, neste ano,  4,5 mil policiais.  Com a formatura de mais uma turma de 400 militares, em dezembro, a corporação contará com 4,9 mil policiais até o final de dezembro. Para 2015, a meta da corporação é formar 6 mil policiais que atuarão no policiamento ostensivo e repressivo e no efetivo das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs).

VEJA A REPERCUSSÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA POLICIAIS

>> Pezão diz que vai pedir prorrogação da permanência do Exército na Maré

>> Onda de violência assusta policiais militares do estado do Rio

>> Confronto na Maré deixa militar das Forças de Pacificação ferido

>> Troca de tiros na Rocinha deixa duas pessoas feridas

>> Comandante promete resposta à morte de PMs no Rio

>> Mais de 100 policiais militares já foram mortos este ano no Rio de Janeiro

>> Pezão defende punição severa para criminosos que matarem policiais