Maior cerimônia coletiva de casamento civil homoafetivo é celebrada no Rio

Cerimônia é a quinta do Rio; mais de 500 casais já foram beneficiados com a iniciativa

Foi celebrada às 15h deste domingo (23) a 5ª cerimônia coletiva de casamento civil homoafetivo no Rio de Janeiro. O evento reuniu 160 casais no Armazém Utopia, no Centro do Rio, oriundos de diversas cidades do estado, e acompanhados por familiares e amigos convidados. Foi a maior cerimônia de casamento homoafetivo do mundo, de acordo com o superintendente de Direitos Individuais, Coletivos e Difusos e coordenador do Programa Estadual Rio Sem Homofobia, Cláudio Nascimento. Na abertura da cerimônia, a performance Jane Di Castro, que também casou na cerimônia, interpretou “Emoções”, de Roberto Carlos.

Entre os casais, estavam diversas pessoas que há anos já buscavam o reconhecimento dos seus direitos civis e que só agora conseguiram oficializar a união. Para muitos deles, a garantia do casamento civil é, inclusive, uma forma de garantir a segurança de suas famílias. Apesar da grandiosidade específica desta cerimônia, não é a primeira vez que um evento assim acontece no Rio de Janeiro: quatro cerimônias coletivas de união estável homoafetiva, das quais participaram cerca de 350 casais, já foram realizadas no estado.

De acordo com a assessoria da Secretaria de Assistência Social, a atriz e cantora Jane Di Castro, foi uma das presentes que teve a oportunidade de oficializar a união. O relacionamento com Otávio Souza Bomfim já data 47 anos. “O Otávio foi o primeiro e único amor da minha vida, nos conhecemos jovens e é muito difícil hoje um relacionamento durar tanto tempo, quase que inédito”, diz Jane.

O professor de português Carlos Freire e o cozinheiro Antônio Otávio de Lima estão juntos há sete anos e já pensavam em casar antes da decisão do Supremo Tribunal Federal que reconheceu os direitos dos casais homoafetivos, em maio de 2011. Eles ficaram sabendo da cerimônia pela internet. “Fomos os primeiros a nos inscrever. Já estávamos pensando em dar entrada e se fosse negado iríamos até as últimas instâncias, pois eu e meu companheiro podemos usufruir dos mesmos direitos que qualquer outra família”, contou Antônio. A lua de mel já está marcada: será em janeiro, no Recife.

O superintendente de Direitos Individuais, Coletivos e Difusos e coordenador do Programa Estadual Rio Sem Homofobia, Cláudio Nascimento, e seu companheiro, João Silva, foram os primeiros a ter a união convertida em casamento no estado do Rio de Janeiro. “É uma ação afirmativa para chamar a atenção de todos para as conquistas e os desafios na área dos direitos civis e humanos da comunidade LGBT. O casamento garante a possibilidade de vários projetos de futuro juntos, como a casa própria, ampliar a família e um nível de segurança jurídica formidável”, destacou.

Cláudio Nascimento explicou que, pelo grande número de casais desta edição, o espaço foi ampliado para garantir a presença dos mais de 1,5 mil convidados. “Na primeira cerimônia tivemos 43 casais, na última foram 132,e a tendência é crescer mais, pois os casais vão se encorajando, percebendo que o evento é digno e organizado, que eles serão tratados com respeito”, apontou. A próxima cerimônia será no Maracanãzinho.

Stefani do Couto, 33 anos, foi convencida pela companheira, Gisele Domiciano, 32 anos, a consumar a união estável. “Para mim sempre foi um sonho e quando fizemos dois anos de namoro disse que queria casar com ela. Nunca me vi casando, mas me deixei levar”, comentou Gisele.

A assistente de estúdio de TV Suzana Amâncio, 27 anos, e a fotógrafa e designer Gláucia Rafael Pereira, 25 anos, se conheceram há quase seis anos por intermédio de uma amiga e estão juntas até hoje. A decisão de se casar surgiu há algum tempo. “Acho que só quando colocar a aliança é que [a ficha] vai cair, porque mesmo morando juntas, este momento é único, pois é a oficialização da nossa união perante a sociedade”, comentou Suzana. “E queremos construir uma família, ter filho e isso faz toda a diferença para nós: ser reconhecido como um casal de verdade”, completou a noiva. A lua de mel ainda está sendo negociada entre Peru e Disney.

Os casamentos foram celebrados pela juíza Rachel de Oliveira e um dos padrinhos simbólicos dos casais foi o defensor público geral do estado do Rio de Janeiro, Nilson Bruno. Na mesa solene da cerimônia estavam presentes a desembargadora Cristina Gaulia, a presidente da Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado do Rio de Janeiro (Arpen), Priscilla M. Soares Milhomem, o presidente da Associação dos Magistrados do Estado do Rio (Amaerj), Rossidélio Lopes da Fonte e o desembargador Claudio Luis Braga dell'Orto.

A 5ª cerimônia coletiva de casamento civil homoafetivo é uma iniciativa do Programa Estadual Rio Sem Homofobia, através da Superintendência de Direitos Individuais, Coletivos e Difusos, da Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos (Superdir/Seasdh), e o Tribunal de Justiça do estado do Rio de Janeiro, através do Departamento de Promoção de Sustentabilidade, a Defensoria Pública Geral do Estado do Rio de Janeiro, através do Núcleo de Defesa da Diversidade Sexual e Direitos Homoafetivos (Nudiversis/Dpgerj) e a Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado do Rio de Janeiro (Arpen).

Com informações da Agência Brasil

*Do programa de estágio do JB