MTE mantém interdição de obra na estrada Rio-Petrópolis

O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) anunciou hoje (11) que as obras da estrada Nova Subida da Serra, da concessionária Juiz de Fora-Rio (Concer), em Petrópolis, no Rio de Janeiro, paralisadas há 50 dias, não poderão ser retomadas enquanto a concessionária não oferecer condições adequadas de segurança para os trabalhadores.

A decisão foi adotada depois da vistoria que auditores fiscais do ministério fizeram ontem (10), no local, para análise de documentos e verificar evoluções nas condições de trabalho. Eles constataram que apesar da implantação de algumas benfeitorias, ainda existe risco para a segurança dos trabalhadores.

Na primeira fiscalização da obra, em 16 de setembro, os auditores relacionaram dez irregularidades, que levaram à interdição parcial da operação do consórcio. Todas relacionadas à falta de segurança.

De acordo com Elaine Castilho, que participou da vistoria de ontem, "o método do tubulão, semelhante a um poço, é extremamente arcaico e coloca em risco a vida de quem trabalha naquele ambiente, sob alta temperatura e pressão atmosférica", por exemplo. Ela disse que além das questões de segurança há também problemas de planejamento, e admite a possibilidade de atraso nas obras, "mas foi preciso manter a paralisação até que o consórcio apresente soluções".

O MTE informou que durante a vigência da interdição a empresa autuada pode desenvolver atividades necessárias à correção da situação de grave e iminente risco, desde que adotadas medidas de proteção adequadas dos trabalhadores envolvidos. Procurada, a Concer não se manifestou sobre o assunto.

O projeto da Nova Subida da Serra prevê a construção de uma pista com aproximadamente 20 quilômetros de extensão que substituirá a atual Rio-Petrópolis, trecho da BR-040, em operação desde 1928, que apresenta traçado sinuoso, sem acostamento e que não comporta o crescente volume de tráfego.