Falta de fiscalização traz problemas para a praia de Copacabana

Relatório feito pela Sociedade Amigos de Copacabana mostra falta de fiscalização na orla

Palco de diversos eventos durante o ano de 2014, a praia de Copacabana tem sofrido as conseqüências do descuido após as comemorações. Reclamações sobre a falta de fiscalização e cobranças sobre a situação da praia após os eventos são constantes entre os moradores. Presidente da Sociedade de Amigos de Copacabana, Horácio Magalhães, conta que a maioria das reclamações é por conta dos resíduos deixados pelos eventos, como fios, pregos, lixo e até estruturas metálicas e vergalhões. “Encontramos todo o tipo de estrutura que fica esquecida na areia da praia. Recebemos muitos relatos de moradores do bairro, inclusive com fotos que publicamos nas nossas redes sociais”, explica.

Uma das reclamações ainda sem solução é uma fiação exposta na orla, na Avenida Atlântica, entre as ruas Ronald de Carvalho e Duvivier, em frente ao Restaurante Balcani. Segundo o relatório, feito pela Sociedade Amigos de Copacabana, anteriormente, no mesmo local, durante a Copa do Mundo, ficava localizada a loja oficial do Fifa Fan Fest.  Quem passa próximo ao posto de salvamento da prefeitura pode ver parte da estrutura que ficou esquecida nas areias da praia: uma tubulação preta com fios de fibra ótica expostos.

Horácio destaca que, apesar dessas questões, os eventos não são desvantajosos para o bairro. O real problema é a falta de fiscalização por parte da prefeitura ao final de cada evento. “Não somos contra a realização de eventos, mas achamos necessário que a prefeitura tenha esse cuidado de fiscalizar como fica a situação da praia. Assim como a prefeitura participa do processo de autorização para os eventos, tem que participar da fiscalização necessária e ver como a praia vai ser devolvida para a população”, cobra.

O lado ambiental também é uma das preocupações . A Secretária de Meio Ambiente costuma fazer um estudo regular sobre a qualidade da areia nas praias da cidade, mas, segundo Horácio, isso não é feito em Copacabana após os eventos. "É um monitoramento que não acontece, sabemos também que tem a geração de lixo mas não temos dados sobre a quantidade porque isso não é passado para a população", afirma Horácio.

Para o presidente da Sociedade Amigos de Copacabana, a prefeitura aponta apenas as vantagens de receber esses eventos, mas segundo ele, os moradores querem participar melhor das decisões analisando todos os aspectos antes, durante e depois. "A solução não é só discutir medidas compensatórias após os eventos, até porque essas medidas não atendem a real necessidade".

Segundo Horácio, deveria haver um período maior entre os eventos programados para a Praia de Copacabana. Essa iniciativa parte da gente, porque temos percebido essa situação ao longo dos anos. Tivemos uma reunião com o prefeito no ano passado e eles realmente reduziram o número de eventos, mas estamos percebendo que em relação aos grandes eventos um recrudescimento da fiscalização", aponta.

Pedras nas areias da praia

Nem só a falta de fiscalização pós-eventos traz dor de cabeça para quem usa a praia de Copacabana. Há quase um mês atrás, alunos da escolinha de futebol do Centro Esportivo de Praia Geração encontraram pedregulhos desenterrados da areia durante os treinos. Na página do facebook do Centro Esportivo, no dia 9 de setembro, foram postadas uma série de fotos das pedras encontradas e um texto explicando a situação:  "Ao chegar no treino das crianças tivemos o desprazer de deparar com essa situação o campo. Um perigo para as crianças do projeto. Passamos a aula toda catando e tirando pedra do campo, e não são pedras pequenas não, só pedregulho grande".

Segundo, Felipe Soares, professor e diretor de Marketing do Geração, mesmo após a reclamação feita com a prefeitura, os alunos continuam a desenterrar pedras do local."Todo treino tem gente se machucando. Ainda tem muita pedra. Estamos há dois metros de distância do quiosque, chegamos a conclusão que as pedras vieram da obra, porque não tem mais nada em volta".

Mais fotos foram postadas no dia 13 desse mês, na pagina do facebook da escolinha, mostrando que as coisas continuam do mesmo jeito. "Isso atrapalha no desenvolvimento dos alunos, mas não só eles. Se alguém frequentar a praia ali, vai se machucar", alerta Felipe

Resposta

Procurada pela reportagem do JB a assessoria da empresa SRCOM, que ganhou a licitação para o Fifa Fan Fest realizado na praia de Copacabana, afirmou que a fiação, encontrada nas areias da praia, é responsabilidade de outras duas empresas: A Duffry e a Oi. Em nota sobre o caso a empresa afirma que: "A Organização do FIFA Fan Fest Rio já retirou todo o material utilizado no evento que era de sua responsabilidade. A respeito dos cabos de fibra ótica encontrados na Praia de Copacabana, entre as ruas Duvivier e Ronald de Carvalho, informamos que os mesmos estão localizados na área onde funcionou a loja Duffry, sendo esta portanto a responsável pelo material utilizado. Embora não seja de nossa responsabilidade, a empresa preza pelas belezas naturais da cidade, sendo assim, entramos em contato com a empresa dona dos cabos, que se comprometeu a retirar o equipamento nos próximos dias".

Já a Assessoria da Orla Rio, quando questionada sobre as obras no quiosque próximo à Rua Duvivier, afirmou em nota: "A Orla Rio Concessionária informa que já notificou a construtora KMJ, responsável pelas obras do quiosque. A KMJ já solucionou o problema e vem realizando vistorias diárias no local para ver se encontra algum resquício".

*Do projeto de estágios do JB