Rio: OAB repudia violência policial contra professores durante protesto

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) divulgou uma moção de repúdio, nesta quarta-feira (2), contra a "violência" empregada por policiais militares para reprimir os protestos dos professores da rede pública do Rio em frente à Câmara dos Vereadores, no Centro.

De acordo com o presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB, Wadih Damous,  a violência policial ultrapassou "todos os limites".

"O uso da força está sendo praticado de forma desmedida e desproporcional e os nossos professores, que já são tão sofridos, não merecem apanhar em praça pública só porque reivindicam melhores condições de trabalho", afirmou Damous.

>> Professores vão à Justiça contra aprovação de plano de cargos e salários

>> Governo dá uma lamentável aula de desrespeito com os professores

"O diálogo ainda é a melhor solução. Os policiais não são jagunços. O papel da polícia é proteger a sociedade", completou.

Usando cassetetes, gás lacrimogêneo e balas de borracha , a PM reprimiu na terça-feira o protesto dos professores nas imediações da Câmara de Vereadores, onde era votado o plano de cargos e salários proposto pela Prefeitura, e que não agradava à categoria. Manifestantes integrantes do black blocs se infiltraram no protesto, causando depredações e confrontos ainda mais violentos com a polícia. Vinte pessoas foram detidas, segundo a PM.