A conversa de Sérgio Cabral com Lindbergh Farias

PT do Rio sai mas não rompe com governador

Quando Cabral anunciou que Beltrame não seria vice de Pezão, antecipava, por metáfora, que já não havia naquele momento qualquer tipode coligação com o PT, o que Sérgio Cabral nunca quis. A prova é que quando ele confirmou que o secretário de Segurança não aceitaria ser vice, não pensou em oferecer o cargo a um candidato do PT.

A razão da precipitação do anúncio de que Beltrame não seria candidato é que o PT, naqueles dias, procurou Cabral para dizer que em 30 de novembro o partido deixaria o governo. O PT nacional tem todo o interesse no lançamento da candidatura de Lidbergh Farias ao governo do Rio . O PT sabe que a impopularidade de Cabral e de Pezão não dariam a Dilma uma satisfação eleitoral que pudesse impedir um segundo palanque e, ao que tudo indica, será um palanque mais promissor de votos do que o do PMDB de Cabral e Pezão.

>> PT sai do governo Cabral em 30 de novembro

O PT, ao anunciar sua saída do governo do Rio, não significa rompimento com o governo do estado, mas o PT não quer ter a marca desse governo.