Maioria dos manifestantes deixa Câmara, mas pequeno grupo permanece no local

Eles prometem retornar ás ruas na terça-feira, durante primeira reunião da CPI dos Ônibus

A maioria dos cerca de 60 manifestantes, que ocupavam o plenário da Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro desde a última sexta-feira (9/08), optou por sair do prédio após assembleia ocorrida na noite de ontem. Eles deixaram o Palácio Pedro Ernesto no início da madrugada, disse à Agência Brasil o estudante secundarista Raphael Almeida, coordenador-geral da Federação Nacional dos Estudantes do Ensino Técnico (Fenet)Grupo. Segundo ele, um grupo de nove pessoas não acatou a decisão da maioria e permanece no local.

A ocupação da Câmara do Rio foi feita em protesto contra a composição da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Ônibus. Segundo Raphael Almeida, a assembleia deliberou que a ocupação “foi um sucesso” e que o papel que ela deveria cumprir foi alcançado. Segundo a Polícia Militar, a situação é tranquila no interior da Casa Legislativa.

Os manifestantes prometem retornar às ruas e fazer um protesto durante a primeira reunião da CPI dos Ônibus, programada para terça-feira (13/08), às 10 horas.

Amanhã, os manifestantes têm encontro previsto com o presidente da Câmara, Jorge Felippe (PMDB), e o conjunto de vereadores da Casa, para ver se encontram uma saída política para o impasse e discutir as reivindicações apresentadas. “Mas a gente sabe que, na prática, isso é um engôdo muito grande”, ressaltou Almeida, para quem tudo decorre de decisão do líder da bancada do PMDB, o professor Uóston (Washington Vicente Nascimento).

A pauta de reivindicações dos manifestantes inclui a anulação da indicação dos integrantes da CPI dos Ônibus e o agendamento de nova reunião para instalar, “de forma legítima”, a comissão, em solenidade que deverá ocorrer no plenário da Câmara, com acesso irrestrito à população.

Eles pedem também a saída, da CPI, dos vereadores da base de governo; a participação exclusiva na CPI dos vereadores que assinaram o requerimento de instalação; que o autor do requerimento da CPI dos Ônibus, vereador Eliomar Coelho (PSDB), seja o presidente da comissão; e que todas as reuniões sejam divulgadas com antecedência e garantam a participação popular irrestrita.