Próximos dias da semana marcam a volta às aulas nas escolas cariocas

Com a data, crescem as atenções ao trânsito e à prevenção de doenças 

Nos próximos dias, os alunos do Rio de Janeiro voltarão às aulas, após as férias de inverno. A rede estadual retoma as atividades nesta quarta-feira (31) e a municipal no dia seguinte, dia primeiro de agosto. Neste período também haverá a volta do ano letivo para muitos colégios particulares. Com o retorno de um contingente que representa mais de um milhão de crianças e jovens aos estudos, a Cet-Rio prepara um esquema especial para o trânsito carioca, normalmente prejudicada por pontos de retenção em portas de colégios. Orientações médicas também são passadas aos alunos, considerando que esta época do ano é mais propícia para disseminação de doenças.

No inverno, doenças respiratórias e vírus são transmitidos com mais facilmente, devido ao clima frio e seco. Apesar de as escolas não representarem um polo de contágio, a prevenção é essencial para que um surto não seja desenvolvido. O pediatra Sidnei Ferreira, do Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (Cremerj), afirma que o primeiro passo importante, nesta época, é verificar se as vacinas das crianças estão em dia:

“A primeira orientação aos pais é a verificação das vacinas. Normalmente a criança suporta bem o resfriado, mas a gripe requer mais cuidados, por isso a sua vacina é importante, principalmente para quem tiver doença crônica ou ter irmão com doença crônica. A maioria das doenças é viral e limitada, ou seja, elas têm tratamento. Na grande parte dos casos não será necessário ir ao médico ou tomar medicamentos, a não ser que detecte-se sinais diferentes na criança, como febre alta, respiração cansada, falta de apetite ou algum ruído respiratório.”, explica o doutor.

Dentro da rede escolar, a creche é onde as crianças precisam de mais atenção. Por serem muito pequenas, é comum que elas coloquem brinquedos na boca, por exemplo, fazendo com que o contágio de doenças seja mais recorrente. Sidnei faz um alerta para esta situação, sem se esquecer também das prevenções de segurança, que vão além das doenças patológicas:

“A creche, por ser, na maioria das vezes, um local fechado, e com muitas crianças pequenas que compartilham brinquedos e chupetas, por exemplo, acaba sendo um local onde há mais disseminação de doenças. Quanto mais velho é o aluno, mais difícil é o contágio escolar. Nós temos sempre que alertar também para fatores de prevenção de segurança dentro ou fora da escola, como atravessar a rua na faixa, transporte no carro de forma adequada e etc.”, conclui, lembrando também que a questão alimentar é muito importante, com orientação para que as crianças se alimentem saudavelmente, ingerindo muitas frutas, para, assim, desenvolverem uma resistência melhor.

A Companhia de Engenharia de Trânsito do Rio, Cet-Rio, afirmou que haverá uma operação especial no tráfego carioca durante os dias que marcam a volta às aulas. Pela data representar um aumento considerável no contingente de carro nas vias e de usuários de transportes públicos, a companhia normalmente dedica uma atenção especial para pontos tradicionais de retenção, que muitas vezes são em portas de colégio. O detalhamento desta operação, no entanto, não foi divulgada antes do fechamento desta matéria.