RJ: polícia faz busca por pedreiro desaparecido na Rocinha

A Polícia Civil do Rio de Janeiro realizou nesta quinta-feira buscas na comunidade da Rocinha, na zona sul do Rio de Janeiro, para tentar encontrar o pedreiro Amarildo de Souza, que está desaparecido desde o dia 14 de julho.  De acordo com a polícia, homens da 15ª DP, da Gávea, realizaram buscas em uma localidade conhecida como Alto da Dioneia. Denúncias apontava que o corpo do pedreiro poderia estar enterrado neste local, segundo o delegado Orlando Zaccone.

As buscas foram acompanhadas por familiares da vítimas e contaram com a participação dos bombeiros e de cães farejadores.  De acordo com o delegado, nada foi encontrado no local.

>> Mulher de Amarildo se diz "frustrada" após reunião com Cabral

Sumiço

Segundo a Polícia Militar, o pedreiro foi levado a uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) no dia 14 de julho por ser parecido com um procurado na operação Paz Armada, que prendeu suspeitos de tráfico de drogas, e depois foi liberado - mas está sumido desde então.

Após a operação, quatro policiais militares foram afastados do serviço. Eles foram encaminhados para a ala administrativa da coordenaria de polícia pacificadora (CPP) até que o inquérito seja concluído.

Dez dias após o desaparecimento, o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), se reuniu com a família de Amarildo de Souza. Em seu perfil no Twitter, o governador prometeu mobilizar seu governo para descobrir o paradeiro de Amarildo.

"Vou mobilizar todo o governo para descobrir onde está Amarildo e identificar os responsáveis pelo seu desaparecimento", afirmou.  Ainda pelo Twitter, Cabral classificou a ação que resultou no desaparecimento de Amarildo como uma "excelente operação, com a prisão de vários marginais que ainda atuavam na comunidade". "Mas nada justifica o desaparecimento de uma pessoa que foi checada pelo próprio comandante da UPP como trabalhador", ressalvou.

O sumiço de Amarildo vem motivando uma série de manifestações de moradores da Rocinha, que responsabilizam policiais.