Após depredação, funcionários da Alerj contabilizam prejuízos

Policiais do Batalhão de Choque fizeram durante toda a madrugada de hoje (18) a segurança do Palácio Tiradentes, sede da Assembleia Legislativa do Rio, no Centro da cidade, que foi alvo de depredação por manifestantes na noite de ontem (17).

Peritos da Polícia Civil estiveram na Alerj durante a madrugada para fotografar e recolher amostras dos objetos usados para quebrar janelas e móveis. Ao amanhecer funcionários da Casa começaram a contabilizar os prejuízos e deram início à limpeza das pichações e lavagem das escadarias.

No interior, a sala mais atingida foi a da liderança do PMDB, que fica na parte da frente do prédio. Há estilhaços de vidro pelo chão, janelas arrombadas e persianas destruídas. Os seguranças encontraram pedras, garrafas, extintores de incêndio e até uma máquina de cartão de crédito dentro da sala.

Os dois carros queimados na rua lateral da Alerj estão sendo removidos agora de manhã por reboques da Companhia de Limpeza Urbana da cidade (Comlurb). Muitos curiosos acompanham o trabalho dos garis.

O Paço Imperial, a Igreja de São José, uma agência bancária e um restaurante, vizinhos da Alerj também foram alvo dos manifestantes. Há pichações e muitos vidros quebrados. A prefeitura do Rio deve divulgar, por volta do meio dia, um balanço do que foi destruído pelos manifestantes no centro da cidade.