Número de crimes contra a pessoa idosa foi 8,7% maior em 2011

O Instituto de Segurança Pública divulga, hoje, (14.03.13) o Relatório da Pessoa Idosa 2012, com base nos dados de 2011, que se destina à divulgação dos dados de criminalidade contra a pessoa idosa (idade igual ou superior a 60 anos), conforme previsão no Estatuto do Idoso, Título I, art. 1º da Lei  n° 10.741/2003.  No ano de 2002, a população idosa no Rio de Janeiro era de 11,7% do total da  população no Estado. Já em 2009, esse percentual aumentou para 15,0%, de acordo com a PNAD do IBGE.

Em 2011, somando os números de todos os crimes cometidos contra idosos, foi contabilizado um total de 61.353 vítimas dentro dessa faixa etária da população. Já em 2010, 56.464 idosos haviam sido vitimados. Isso representa um aumento de 8,7% de crimes especificamente contra a pessoa idosa em 2011, em relação ao ano de 2010. Essa é a primeira vez, desde o início da série histórica, em 2002, que o número de vítimas supera os 60 mil anuais. Entre os delitos que os idosos mais são vítimas estão os crimes de estelionato, ameaça e lesão corporal culposa, nesta ordem.

O relatório foi elaborado com base no banco de dados de Registros de Ocorrências Criminais e Administrativas das Delegacias de Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro. Os gráficos e tabelas apresentados expõem dados gerais relativos à incidência de crimes contra idosos, assim como os principais delitos cometidos, os perfis das vítimas, os locais de maior concentração e a série histórica do total de crimes que vitimam a pessoa idosa. Por fim, pretendendo ampliar a compreensão do fenômeno da violência contra o idoso, foi incluído um estudo sobre tais fatos em áreas de Unidades de Polícia Pacificadora (UPP).

Ao publicar o Relatório da Pessoa Idosa 2012, o Instituto de Segurança Pública cumpre um papel relevante ao produzir o estudo, dando contribuição para subsidiar a construção de políticas públicas mais eficientes. Um dos principais desafios que a área de segurança pública enfrenta atualmente, e que se ampliará futuramente, é do tratamento específico da violência contra as pessoas com mais de 60 anos. Um dos motivos para essa preocupação é o atual processo de envelhecimento da população brasileira, e que ocorre de forma mais incisiva no Rio de Janeiro.

Com esta divulgação, o ISP espera contribuir para a concretização da cidadania daquelas pessoas com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos, conforme definido no Estatuto do Idoso, implantado pela promulgação da Lei nº. 10.741, de 01 de outubro de 2003.