Rodoviários adiam possível greve para  semana que vem

Categoria decidiu permanecer em estado de greve

Em assembleia realizada na tarde desta segunda-feira (18), os rodoviários decidiram não entrar em greve nessa semana e seguir dialogando com as empresas de ônibus. A greve, caso decretada, poderia ter sérios impactos para a sociedade, visto que a maior parte das escolas está na sua primeira semana de aula.

De acordo com o presidente do Sindicato Municipal dos Trabalhadores Empregados em Empresas de Transporte Urbano de Passageiros do Município do Rio de Janeiro (Sintraturb-Rio), José Carlos Sacramento, a categoria decidiu permanecer em estado de greve, mas não vai paralisar os serviços nesta semana. Ele terá uma reunião com os representantes das empresas de ônibus nesta terça-feira (19) e o resultado será apresentado para a categoria na próxima segunda-feira (28), onde a possibilidade de greve será novamente discutida:

"Por enquanto não vai ter greve. Vamos ter uma nova assembleia no dia 28, para a categoria ver se aceita ou não a proposta que os empresários vão fazer amanhã (19)", explicou Sacramento.

Os rodoviários vivem uma guerra política, com dois sindicatos atuando em nome da categoria. O Sintraturb-Rio surgiu como uma discidência do sindicato reconhecido pelo Ministério do Trabalho, o Sindicato dos Rodoviários.

Aumento de 23%

O piso salarial pedido pela categoria é de R$ 2 mil, um aumento de 23% no salário atual da categoria, de R$ 1.618. Além disso, querem aumento do valor da cesta básica e plano médico para o funcionário e três dependentes. O sindicato também quer o fim da dupla função, quando o motorista também faz as vezes de trocador:

"Na ponta do lápis: a diária do motorista de ônibus é de R$ 53,94. Cada hora extra são mais R$ 11,52. Se uma pessoa trabalha duas horas extras, são R$ 77 por dia. Em um mês de 30 dias, isso dá R$ 2.300. Por que os trabalhadores não ganham isso? Um motorista júnior ganha R$ 900, dirige um carro grande, com toda a pressão, sem cobrador. É complicado. Queremos mudar o sistema que causou isso, e não botar a culpa somente no motorista", argumentou Sacramento.