RJ: polícia identifica bandidos que mataram bebê em assalto

No início da semana, parentes fizeram um protesto e pediram justiça

A Polícia Civil do Rio de Janeiro identificou nesta semana os dois homens envolvidos na morte da menina Geovanna Vitória de Barros Firmino, 1 ano, durante uma tentativa de assalto em Belford Roxo, na Baixada Fluminense, no último dia 18. Segundo as investigações, Luis Henrique Ferreira de Melo, o Angolano, e Anderson da Silva Verdan, o Bamba, controlam o tráfico de drogas na comunidade Gogó da Ema, têm passagem na polícia por tráfico, roubos e homicídios, e são procurados pela Justiça.

O crime aconteceu no dia 18 de janeiro no bairro Parque das Palmeiras, em Belford Roxo. A mãe da criança, Priscila de Barros Firmino, dirigia pela rua Nunes Sampaio, quando um Vectra preto emparelhou e seus ocupantes anunciaram um assalto. A abordagem assustou a mulher, que acelerou o carro. Neste momento, um dos homens atirou e atingiu o peito do bebê, que estava em uma cadeirinha no banco do passageiro. Geovanna chegou a ser levada pela família para um hospital em Nova Iguaçu, mas não resistiu ao ferimento e morreu.

De acordo com o delegado titular da 54ª DP, Felipe Curi, quem disparou o tiro que matou a criança foi Melo - ele foi reconhecido pela mãe da vítima. Verdan foi reconhecido por outras duas pessoas que tiveram o veículo roubado logo em seguida ao homicídio.

No dia seguinte ao crime, a polícia identificou e recuperou o Vectra preto usado pelos criminosos, que foi periciado. Durante todo o fim de semana, os agentes foram às ruas em busca de informações sobre os assassinos. Após cruzar informações com o banco de dados da polícia, além de receber contribuições do Disque-Denúncia, os policiais chegaram à identidade da dupla.

Durante a semana, a polícia fez diligências para tentar localizá-los e prendê-los. Na manhã desta sexta-feira, mais de 100 policiais das 54ª, 52ª, 58ª, 59ª, 60ª e 64ª DP, além de agentes da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), da Delegacia de Roubos e Furtos de Automóveis (DRFA) e Roubos e Furtos de Cargas (DRFC), incursionaram na comunidade Gogó da Ema em busca dos criminosos, mas sem sucesso.

O delegado Felipe Curi informou ainda que os dois criminosos são oriundos dos Morros da Pedreira, Quitanda e Lagartixa, em Costa Barros e, desde outubro de 2012 assumiram o controle do tráfico de drogas na comunidade Gogó da Ema. Eles têm passagem na polícia por tráfico de drogas, associação para o tráfico, roubos e homicídios. Os dois estão com a prisão decretada pela Justiça.