Monique Vidal evita comentar declarações de delegado no Twitter

Delegada vai substituir titular do Catete, afastado após criticar equipe na web

A partir desta terça-feira, a delegada Monique Vidal assume a função de titular da 9ª DP (Catete) da Polícia Civil no Rio de Janeiro. Por mais que ela não comente a polêmica em torno do ex-titular do posto, o também delegado Pedro Paulo Pontes Pinho - retirado do cargo pela chefe da Polícia Civil fluminense, delegada Martha Rocha, após declarar em seu perfil no Twitter que mulheres não estariam aptas a trabalhar no ramo da segurança pública -, Monique se diz completamente capaz para a nova responsabilidade que assume.

"Não vou comentar as declarações dele, não faz sentido, mas o que eu posso dizer é que sou totalmente capaz. Sou mãe solteira de dois filhos, e já sou delegada há 10 anos. Acho que isso já diz tudo", declarou, em entrevista ao Terra. Monique Vidal já atuou como titular da 12ª DP (Copacabana), 13ª DP (Ipanema), 28ª DP (Campinho), 17ª DP (São Cristóvão) e da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA).

>> Delegado é destituído após criticar mulheres

Destituído do cargo, Pontes Pinho foi para o Centro Integrado de Investigação Criminal, considerado a "geladeira" da Polícia Civil no Rio, com cargos mais administrativos. Ele ainda será investigado pela Corregedoria Interna da Polícia Civil (Coinpol) por utilizar a rede social durante o expediente.

O agora ex-titular da 9ª DP disse, na última segunda-feira, em três postagens consecutivas no microblog, que tinha "14 mulheres no meu efetivo, mas apenas uma, uma apenas, reúne talento coragem e disposição para encarar a atividade policial", escreveu Pinho, que se identifica no perfil como "Polícia e Poesia". "E essa uma, entre 14, jovem ainda, não tem nenhum homem que a supere. A mulher quando é boa no que faz ninguém supera, mas o contrário...", completou.

Tenho 14 mulheres no meu efetivo, mas apenas uma, uma apenas, reúne talento, coragem e disposição pra encarar a atividade policial.

— Polícia e Poesia (@Delegado_Pinho) January 21, 2013

Em nota oficial da corporação, a justificativa para a troca é que "o delegado tem dificuldades em gerir os recursos humanos que lhe são disponíveis". O comunicado explica ainda que a chefe da Polícia Civil, Martha Rocha, escolheu pessoalmente o nome de Monique para o cargo por sua "trajetória como mulher policial".

"Para ser um bom servidor público, o sexo independe. É preciso, sobretudo, dedicação. Em alguns casos de força, os homens nos superam, mas isso não me impede de fazer o meu melhor, assim como os meus colegas. Tem que ter vontade de trabalhar, afinco mesmo. Sou delegada desde 2003", afirmou Monique Vidal, sem medo do novo desafio. "Missão dada é missão cumprida", completou.

A delegada da Polícia Civil do Rio é figura conhecida da cúpula da segurança pública fluminense, principalmente por sua atuação em delegacias de bairros turísticos do Rio de Janeiro, como Copacabana e Ipanema, na zona sul do município. Trabalhadora árdua, também desperta atenção por sua beleza e vigor físico, a ponto de servir de inspiração para a personagem da atriz Giovanna Antonelli, na novela global Salve Jorge.

"Sou amiga da Glória (Perez, autora), que me consultou sobre a personagem. A gente conversa sobre ela", conta Monique sobre Helô, delegada linha dura da ficção que tenta desvendar o tráfico de mulheres que centraliza a trama. "Ela já esteve comigo fazendo laboratório, tento ajudar", complementa. Para o lugar de Monique Vidal, à frente da 12ª DP, assumiu o delegado José William.

Pedido de desculpas

Em entrevista à rádio Globo do Rio de Janeiro, o delegado Pedro Paulo Pinho Pontes fez seu pedido de desculpas por toda a polêmica em que se viu envolvido. "Quero dizer às mulheres, especialmente às policiais, que tenho extrema admiração por elas. Peço desculpas mais uma vez, não foi minha intenção. As mulheres são tudo neste mundo, sem elas não somos ninguém e tenho extremo respeito por elas", disse no programa de Roberto Canazio.