Índios são lembrados no Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa

O Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa está sendo comemorado na Cinelândia, no Centro do Rio, nesta segunda-feira. Com o objetivo de valorizar a liberdade religiosa e o respeito a todas as crenças, seguidores de várias religiões estarão unidos durante todo o dia para participar de atividades culturais e atos litúrgicos.

A polêmica envolvendo os índios da Aldeia Maracanã também foi lembrada durante o evento. A paisagista e defensora dos direitos humanos, Selma Riviello, exibia cartazes defendendo a preservação da cultura indígena.

>> Aldeia Maracanã: Caetano Veloso critica "vulgaridade" da administração estadual

>> Milton Nascimento apóia causa indígena 

>> Chico Buarque defende preservação do entorno do Maracanã

"Acho fundamental o respeito à tolerância religiosa e, dentro deste contexto, a cultura indígena precisa ser lembrada. Ainda mais num momento em que ela está sendo tão desrespeitada", disse Selma, se referindo à ordem de despejo recebida pelos índios que moram na Aldeia Maracanã, por determinação do governo do Estado, que pretende construir no local um estacionamento para a Copa do Mundo de 2014. "A cultura indígena envolve tudo, inclusive a religião. É fundamental passar a mensagem que a religiosidade indígena não pode ser destruída. É um absurdo o que o governador Cabral está fazendo."

A primeira celebração religiosa aconteceu às 9h. As próximas são às 12h, 15h e 18h. À noite, haverá um grande show gratuito com Arlindo Cruz, Padre Omar, Ogam Tião Casemiro, Ogam Bambala e Varda. O evento também recolhe donativos para as vítimas das chuvas de Xerém, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.