Patrões e empregados de distribuidoras de combustíveis não chegam a acordo 

Rio de Janeiro - Os trabalhadores das empresas distribuidoras de combustíveis e lubrificantes do estado do Rio de Janeiro, rejeitaram em reunião com o Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e Lubrificantes (Sindicom), a proposta patronal de reajuste de 7% nos salários e benefícios para a categoria, que tem data base em 1° de janeiro.

A proposta previa, ainda, a concessão de abono salarial de R$ 2,1 mil e vale alimentação de R$ 267,5, além de vale refeição de R$ 25,49. A decisão foi tomada depois de dois dias de negociações

A categoria manteve a reivindicação de reajuste salarial de 12%, tendo com o base a recuperação das perdas salariais da década de 1990 até 2004; abono salarial de, no mínimo, R$ 7 mil; vale-alimentação de R$ 400 e vale-refeição de R$ 35. Uma nova rodada de negociação foi marcada para o próximo dia 23, no Rio.