Cabral dá posse a defensor público geral do estado

Nilson Bruno foi reconduzido ao cargo que exerce desde 2011

O defensor público geral do estado, Nilson Bruno, foi reconduzido ao cargo nesta segunda-feira (14) pelo governador Sérgio Cabral, em rápida cerimônia realizada na sede do órgão. Bruno, que comanda a Defensoria Pública do Rio de Janeiro desde 2011, foi o mais votado pela categoria entre os três nomes enviados ao governador.

Diversas autoridades estiveram presentes à nomeação, como o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello, o vice-governador Luiz Fernando Pezão, o presidente do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro,  Manoel Alberto Rebêlo dos Santos, e o procurador-geral de Justiça do estado, Marfan Vieira. Vários secretários de estado e parlamentares também prestigiaram a cerimônia.

Bem-humorado, Cabral, vascaíno notório, zombou de Bruno, que é botafoguense, e de Marco Aurélio, flamenguista, mas fugiu de temas mais sérios, limitando-se a propagandear sua contribuição, durante toda sua carreira política, à Defensoria Pública. Assim que o evento foi encerrado, ele se retirou sem falar com os jornalistas que o aguardavam ou tampouco participar do coquetel que se seguiria à posse.

Já Nilson Bruno usou o discurso para destacar os avanços de sua gestão à frente do órgão, classificado por ele como "a melhor Defensoria Pública do mundo". Ele traçou um paralelo entre o serviço de atendimento telefônico da instituição e o Disque-Denúncia:

"Desde a sua criação, o Disque-Denúncia recebeu 1,8 milhão de ligações. O nosso serviço 192, em apenas dois anos, já alcançou a marca de 1 milhão. Como me disse certa vez o ministro Ayres Britto, então presidente do STF, é a humanização da Justiça", afirmou.