'Foi um dia tenso para o Rio', diz secretário 

Por pouco, a chuva que atingiu a Baixada Fluminense não se abateu diretamente sobre a capital do Estado do Rio de Janeiro. Desde o início da madrugada, o Centro de Operações da prefeitura monitorou a possibilidade. "Foi um dia tenso para o Rio", disse o secretário de conservação Marcus Belchior.

"Houve a possibilidade, em vários momentos, deste volume d'água que caiu sobre Xerém despencar sobre a cidade. Na estação pluviométrica Jacarepaguá/Tanque caíram 21,8 mm em apenas 15 minutos. Para se ter uma noção, nós acionamos as sirenes de aviso contra desabamentos quando atingimos 40 mm em uma hora. Ainda bem que não foi necessário", completou Belchior.

A Defesa Civil da capital registrou 150 ocorrências nas últimas 24 horas, três delas consideradas graves: rolamento de pedra que atingiu casa em Bangu, queda de poste e árvore em Tomás Coelho e queda de muro de contenção na Praça Seca. Na estação pluviométrica de Campo Grande, na zona oeste do Rio, choveu 128 mm, 78% do previsto durante todo o mês de janeiro. O bairro vizinho de Santa Cruz também registrou muita chuva: 123,2 mm (73,8% do previsto no mês).

As chuvas afetaram o funcionamento do BRT no trajeto entre o Recreio dos Bandeirantes e Paciência. As operações foram suspensas por cerca de uma hora devido a bolsões d'água na Avenida Cesário de Melo. Três estações do ramal Campo Grande tiveram de ser fechadas e reabertas apenas por volta das 18h.

A previsão do Alerta Rio é que a chuva persista na madrugada desta sexta-feira e perca intensidade apenas pela manhã.

Histórico de deslizamentos

Em janeiro de 2011, a baixada fluminense enfrentou a maior tragédia climática da história do Brasil. Foram 918 mortos e mais de 215 desaparecidos após as fortes chuvas que atingiram sete municípios da região. As cidades mais atingidas foram Nova Friburgo, Petrópolis, Teresópolis, Bom Jardim, Areal, Sumidouro e São José do Vale do Rio Preto.

No ano anterior, em 2010, uma série de deslizamento deixou 30 mortos em Angra dos Reis nas primeiras horas do dia 1º de janeiro. O deslizamento de uma encosta atingiu uma pousada e sete casas na Ilha Grande, matando pelo menos 19 pessoas. No continente, 11 pessoas morreram em outro desmoronamento.