Justiça condena ex-policiais que escoltaram traficantes da Rocinha

A Justiça do Rio condenou três ex-policiais civis que tentaram ajudar traficantes a fugir da favela da Rocinha, na zona sul, em novembro do ano passado. A decisão é da última terça-feira e os ex-agentes pegaram mais de 12 anos de prisão cada um. Eles foram denunciados pelo Ministério Público após serem presos na Gávea escoltando três traficantes que tentavam fugir da Rocinha para o morro São Carlos, no centro, às vésperas da ocupação programada pelas forças de segurança.

Na decisão, o juiz André Ricardo de Franciscis Ramos afirma que "a sociedade não pode tolerar que aqueles nos quais ela deposita a confiança para o provimento da segurança pública envolvam-se com criminosos da pior estirpe" e lembra que dois deles são reincidentes.

Os ex-policiais civis Carlos Daniel Ferreira Dias, Carlos Renato Rodrigues Tenório e Wagner de Souza Neves foram condenados a 12 anos e quatro meses de detenção em regime inicial fechado. Eles já estão presos em Bangu 8, na zona oeste do Rio.

Já os traficantes Anderson Rosa Mendonça, o Coelho, Sandro Luís de Paula Amorim, conhecido como Peixe, e Valquir Garcia dos Santos, o Carré, que eram escoltados pelos policiais quando foram interceptados por agentes da Polícia Federal, receberam sentença de 15 anos de prisão. Quando foram localizados, eles estavam em quatro carros e portavam armas e drogas.

No mesmo processo, o ex-policial militar Flávio Mello dos Santos foi condenado a 19 anos e seis meses. Três réus ainda foram absolvidos: o policial militar reformado José Faustino Silva e o motorista de Clávio, Sandro Oliviero, foram considerados inocentes das acusações de formação de quadrilha e associação para o tráfico. Paulo Roberto Lima da Luz, que trabalhava como mototaxista na favela da Rocinha, também foi absolvido.