Arte sacra fluminense passará por inventário

O Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac) está fazendo um levantamento das peças de arte sacra guardadas em igrejas do estado. Iniciado em 2008, o trabalho já rendeu dois volumes de inventário e 10 mil peças catalogadas. A previsão de término é para o ano de 2014, com a publicação de mais quatro volumes.  A partir de 2015, será a vez de inventariar somente as riquezas da cidade do Rio.

Contemplada com um dos editais da Secretaria de Cultura, este ano, a Diocese de Nova Iguaçu recebeu R$ 30 mil para reunir e restaurar material das igrejas locais. A equipe responsável pelo trabalho já analisou cerca de 40 peças. A maioria do acervo reúne esculturas do século XIX, com características neoclássicas. A ideia é preservar riquezas como uma imagem de Sant´Ana, encomendada pelo Barão de Paty do Alferes. De provável origem portuguesa, a peça que havia sido roubada, está sendo restaurada.

Segundo o diretor do Departamento de Bens Móveis e Integrados do Inepac, Rafael Azevedo, já foram concluídos os inventários de arte sacra do Norte e Noroeste do estado, bem como das Baixadas Litorâneas. Em Nova Iguaçu, o trabalho vai terminar em 7 meses. O acervo fotografado irá para o site da diocese na internet.

– Os inventários têm possibilitado a proteção do patrimônio. Fazemos análise estilística, formal e material de cada peça. Com este trabalho, começamos a estimular uma cultura de cuidado com a arte sacra, que faz todo mundo ganhar: as igrejas, os fiéis, a população e o Estado do Rio – disse Azevedo.

O diretor do instituto trabalha no projeto com quatro técnicas, uma fotógrafa e um historiador. O grupo deseja organizar, em 2013, uma exposição com as peças das igrejas de Nova Iguaçu.

– A arte é uma expressão religiosa, e o povo da Baixada sabe reconhecer e conservar isso – disse Dom Luciano Bergamin, bispo da Diocese de Nova Iguaçu.