Para pressionar reitor, alunos da UFRJ ocupam prédio abandonado do Canecão

O prédio onde funcionou o Canecão, uma das maiores casa de show que a cidade teve, e que dali foi despejado em 2010 por uma ação judicial movida pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, foi ocupado por alunos da própria UFRJ, como forma de pressionar o reitor a recebe-los. 

A casa, localizada em Botafogo, Zona Sul do Rio, foi palco de grandes shows e musicais como "Chico Buarque & Maria Bethânia" (1975), TomViniciusToquinho & Miúcha (1977), Elis Regina (1970), Roberto Carlos (1979) entre outros. 

Os estudantes ocuparam e dormiram na entrada da antiga casa de espetáculos, e na manhã desta quarta-feira cerca de 50 deles permaneciam no local.  Tadeu Alencar, representante do comando de greve da UFRJ, informou que eles reivindicam a transformação do Canecão em um centro cultural público e querem que o reitor promova uma audiência para debater o futuro da antiga casa de shows.

“A campanha é para que se torne um espaço público de cultura. Queremos que a reitoria promova uma reunião entre professores, estudantes e técnicos administrativos para avaliarmos a melhor forma de aproveitar o local”, explica Tadeu.

Eles também criticam o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni), que se propõe a ampliar o acesso e promover a expansão física, acadêmica e pedagógica da rede federal de educação superior.

Para Priscila Branco, da diretoria DCE e integrante do comando de greve da UFRJ, além de promover a expansão da universidade o governo deveria focar na melhoria da infraestrutura atual que, segundo ela, está muito prejudicada.

“Não é para frear o crescimento, mas isso deve ser conciliado com melhoria na estrutura, que está abandonada. Os alojamentos estão muito ruins, os laboratórios também precisam melhorar”, conta Priscila

Os manifestantes reivindicam também a criação de um restaurante universitário em cada campus da universidade, além de 10% do PIB para a educação pública.

Segundo eles, a ocupação também é uma forma dos estudantes fortalecerem a greve dos professores e servidores federais. A intenção é permanecer no local até que o debate sobre o Canecão entre na agenda do Reitor.

A assessoria da UFRJ informou que irá dialogar com os estudantes nos próximos dias. Informaram que se encontra em estudo uma proposta do Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ para transformar o espaço do Canecão em uma área para eventos da universidade, no entanto a proposta ainda será discutida.

Reintegração do Canecão à UFRJ

A Associação dos Servidores Civis do Brasil(ASCB) tinha a posse do terreno do Canecão e alugou a área para a casa de shows em 1967. No mesmo ano, a União doou o terreno para a Universidade Federal do Rio de Janeiro. Depois de 39 anos de batalha judicial, um julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) ratificou as decisões judiciais que, desde junho de 1988 reconheceram a validade do Decreto-lei 233/67, por meio do qual o presidente da República anulou a cessão do terreno da União para a ASCB e, cedeu a área onde funciona o Canecão, para a UFRJ. Apesar disto, o imbróglio jurídico permaneceu até 1º de julho de 2010, quando a Justiça Federal do Rio de Janeiro restituiu o  terreno onde a casa de eventos funcionava. Mas, desde então o local está fechado e abandonado.

Reportagem: Renan Almeida