Dilma lamenta morte de policial militar em UPP do Complexo do Alemão

Em nota, a presidenta Dilma Rousseff lamentou hoje (25) a morte da policial militar Fabiana Aparecida de Souza, assassinada a tiros na noite da última segunda-feira (23) durante um ataque à Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) de Nova Brasília, no Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro.

A presidenta diz que a morte da policial, além de tragédia pessoal para a família, deixa a marca de um “sacrifício na luta incessante pela paz” e que o processo de pacificação das comunidades cariocas será consolidado.

“Fabiana abraçou essa causa e nos deixou a certeza de que outros braços a sucederão, com o mesmo empenho, para consolidar cada vez mais o sucesso das UPPs. A paz vencerá, não há retorno”, diz o texto, divulgado no começo da noite pela Secretaria de Imprensa da Presidência da República. Dilma está em Londres, onde fica até sexta-feira (27) para a abertura dos Jogos Olímpicos.

“Transmito minha solidariedade a toda a corporação policial militar e à população do Rio de Janeiro. Deixo em especial minha solidariedade e meu carinho a esta família, nesse momento de tristeza”, completa a presidenta.

Os complexos do Alemão e da Penha foram ocupados pelo Exército e pela Polícia Militar em novembro de 2010. Em abril deste ano, a Força de Pacificação, composta pelos militares, começou a ser substituída pelas unidades de Polícia Pacificadora (UPP), que assumiram desde então o policiamento das comunidades. A UPP da comunidade da Nova Brasília foi a primeira das oito a serem inauguradas nos complexos de favelas.