Dom Eugênio foi fiel ao Papa mesmo nos momentos difíceis, diz bispo 

Amigo próximo do cardeal Dom Eugênio de Araújo Sales, o bispo auxiliar da Arquidiocese do Rio de Janeiro, Dom Paulo César Costa, lamentou a morte de uma "das figuras mais fortes" que conheceu. Costa conversou com o Terra pouco antes de se dirigir ao bairro do Sumaré, na zona oeste carioca, onde Sales residia e morreu de causas naturais, aos 91 anos, no fim da noite desta quarta-feira.

"Dom Eugênio foi um homem de profunda serenidade, um homem de grandes realizações. Demonstrou grande fidelidade ao Santo Padre, mesmo em períodos difíceis da Igreja", declarou.

Como grandes feitos do cardeal, Dom Paulo César destacou a participação em 11 comissões da Igreja e importante colaborações para viabilizar as visitas do papa João Paulo II ao Brasil em 1980, 1991 e 1997.

Dom Paulo César salientou que Dom Eugênio, mesmo com a idade avançada, procurou sempre participar ativamente das decisões da Igreja. Apesar de ter histórico de problemas cardíacos e usar um marca-passo, o cardeal apresentava boa saúde e lucidez. "Ele mostrou muita força até o fim da vida, apesar de ser um senhor de idade", lembrou o amigo.

Nascido em Acari, no Rio Grande do Norte, em 8 de novembro de 1920, Dom Eugênio de Araújo Sales era o mais antigo cardeal da Igreja Católica, segundo informação da Arquidiocese do Rio de Janeiro.

O velório do cardeal está marcado para meio-dia desta terça-feira, na Catedral Metropolitana do Rio de Janeiro. De acordo com a arquidiocese, serão celebradas missas e orações a cada duas horas. O corpo será sepultado na quarta-feira, às 15h, na própria catedral.