Homicídio doloso registra o menor índice em 21 anos no Rio

O número de homicídios dolosos no Estado do Rio de Janeiro teve o menor registro em 21 anos, no acumulado de janeiro a maio de 2012, desde que a série histórica foi criada, em 1991. O mesmo vale quando comparamos somente os meses de maio em todo o período. No quinto mês de 2012, foram registradas 344 vítimas (contra 368 em maio de 2011) e no acumulado do ano foram 1.784 (1.945 em 2011), com a taxa de 10,9 homicídios para cada 100 mil habitantes (12 por 100 mil em 2011).

O indicador letalidade violenta (homicídio doloso, latrocínio, auto de resistência e lesão corporal seguida de morte) voltou a cair em maio de 2012, registrando seu menor índice desde 2000. Foram 398 ocorrências no mês de maio (455 em 2011) e 2.048 no acumulado dos cinco primeiros meses de 2012 (2.319 em 2011). A taxa desses primeiros cinco meses foi de 12,5 por 100 mil habitantes (14,4/100 mil em 2011).

Já o indicador estratégico roubo de rua teve redução de 11,8% nos primeiros cinco meses de 2012, quando comparado com o mesmo período de 2011. Todos os indicadores que compõem roubo de rua apresentaram quedas: roubo a transeunte (queda de 9%), roubo de aparelho Celular (menos 23,7%) e roubo em coletivo (menos 24,2%). No acumulado de janeiro a maio desse ano, em comparação com o mesmo período de 2011, houve queda de 3.490 ocorrências: 26.074 registros em 2012, contra 29.564 em 2011.

O indicador de Roubo de Veículo, que desde dezembro do ano passado vem apresentando aumentos mensais, registrou uma pequena redução em maio, sobre o mês de abril, caindo de 2.064 para 2.043 ocorrências, o que aponta uma possibilidade de reversão do crescimento registrado nos meses anteriores. Entretanto, o indicador continua maior do que no mesmo período no ano passado: 9.702 ocorrências de janeiro a maio, contra 7.554 em 2011, um crescimento de 28,4%.

Os batalhões da Polícia Militar, das AISP’s, que têm maiores números de roubo de veículos estão entre os principais contemplados com o aumento de efetivo proporcionado pelo uso do Regime Adicional de Serviço (RAS), a partir de julho, quando 1.365 PMs passarão a reforçar o policiamento de rua, diariamente, em seus períodos de folga. Esse reforço poderá contribuir para uma redução nos roubos de veículos na área desses batalhões.