TJ: Garotinho deve tirar fotos de mulher de Cavendish, morta em 2011

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro determinou nesta quinta-feira que o deputado federal e ex-governador Anthony Garotinho (PR-RJ) retire de seu blog, no prazo de 48 horas, as imagens de Jordana Kfuri Cavendish, mulher de Fernando Cavendish, dono da construtora Delta, morta em um acidente em 2011. A ação foi ajuizada pelo advogado Armando Miceli Filho em nome do pai de Jordana, Dario Kfuri.

Na semana passada, Anthony Garotinho divulgou em seu blog uma série de fotos e vídeos relatando o suposto envolvimento do governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), com o dono da construtora Delta, suspeita de ligações com o esquema de jogos ilegais comandados pelo bicheiro Carlinhos Cachoeira. As fotos postadas no blog mostram Jordana ao lado de Cavendish e de Cabral em viagens pela Europa.

Em sua decisão, o juiz Wilson Marcelo Kozlowski Junior, da 49ª Vara Cível, destacou que a divulgação das imagens de Jordana não tem vinculação com os fatos políticos denunciados por Garotinho. "Não se trata de cercear a salutar divergência política entre o ex-governador e o atual, mas sim de restringir a discussão a quem interessa e não a pessoas falecidas e sem qualquer vinculação com os fatos políticos", diz a sentença.

Na sexta-feira, Garotinho publicou fotos de Cabral em Paris com parte de seu secretariado e Cavendish. O governo fluminense respondeu que a viagem era para a participação do Guia Verde Michelin Rio de Janeiro e de encontros para tratar da campanha pelas Olimpíadas de 2016. As imagens, segundo o governo, foram tiradas no Clube Inglês. Garotinho alega que a viagem foi para o casamento de Cavendish e que as despesas foram bancadas pelo empresário.

Caso o ex-governador não retire as imagens de Jordana no prazo determinado, a decisão prevê que ele pague uma multa de R$ 500 mil. Se a punição chegar a ser aplicada, o valor será devolvido a Garotinho quando ele cumprir a decisão.

Na ação, o pai de Jordana também pede o pagamento de indenização pelo uso não autorizado das imagens da filha. A Justiça ainda não se manifestou sobre a solicitação.

No blog, Garotinho falou sobre o assunto. "Soube também que a família dela vai ingressar na Justiça para que eu pare de exibir as imagens. Nem precisa. Se alguém da família tiver interesse entrego o pen drive com todas as fotos e vídeos que me foram passados por uma pessoa que amava Jordana e tinha profunda admiração por ela", escreveu o ex-governador. "Jordana não tem nada com isso. Era apenas uma acompanhante, aliás, uma das vítimas da irresponsabilidade de Cabral no exercício do poder. O alvo nunca foi ela, o que mostramos ao Brasil são imagens de um governador abobalhado, deslumbrado com o poder e com as facilidades que o dinheiro oferece."

Jordana morreu em um acidente de helicóptero em Trancoso, na Bahia, em junho de 2011, que vitimou outras seis pessoas. Entre os mortos estavam Mariana Fernandes Noleto, namorada de um dos filhos de Sérgio Cabral; o filho de Jordana, Luca Kfuri de Magalhães Lins, 3 anos; e a irmã de Jordana, Fernanda Kfuri, 35 anos.