Afastados responsáveis por blitz que multou ciclista

A Secretaria de Governo do Rio de Janeiro informou nesta quinta-feira que foram afastados os dois coordenadores da blitz que, na madrugada de sábado, multou um ciclista que utilizava uma bicicleta elétrica. A Coordenação-geral da Operação Lei Seca, entretanto, manteve as multas a Marcelo Toscano Bianco porque os procedimentos adotados foram "corretos". A decisão pelo afastamento, segundo a assessoria da Secretaria de Governo, leva em conta apenas a montagem da blitz sobre uma ciclovia.

A bicicleta de Marcelo permanece apreendida no Detran, e ele terá de pagar multa para retirar o veículo. O ciclista trafegava na rua Francisco Otaviano, em Copacabana, zona sul do Rio, quando se deparou com uma blitz em cima da ciclovia e resolveu registrar imagens da atuação dos agentes da Lei Seca, que lhe abordaram sob alegação de que seu "ciclo-elétrico" se equiparava a um ciclomotor (veículo cuja velocidade não ultrapasse 50 km/h) e, por isso, seguia as leis para esse tipo veículo.

O código de trânsito prevê que os ciclomotores devem ter registro e licenciamento e que o condutor tenha habilitação específica. Esse não era o caso de Bianco, que apresentou uma Carteira Nacional de Habilitação (CNH) de categoria diversa da supostamente adequada ao veículo que conduzia, recebendo multa de R$ 574,62 e perda de 7 pontos na carteira. Além disso, ele se recusou a fazer o teste do bafômetro, o que lhe acarretou outra multa de R$ 957,70 e perda de outros 7 pontos. Como estava sem equipamentos de segurança, Marcelo recebeu uma terceira multa, de R$ 191,54, e perdeu outros 7 pontos, totalizando R$ 1.723,86 em multas e 21 pontos na carteira.