Justiça decreta e 3 PMs acusados de estupro na Rocinha são presos

A Justiça do Rio de Janeiro acatou pedido da Polícia Civil e decretou a prisão de três policiais militares acusados de estuprar uma mulher na favela da Rocinha. Eles se apresentaram na 14ª Delegacia de Polícia na madrugada deste sábado e foram encaminhados para a Unidade Prisional, antigo Batalhão Especial Prisional, onde ficarão presos temporariamente.

Na noite de sexta-feira, a Polícia Militar determinou o afastamento dos militares, pertencentes ao Batalhão de Choque, e abriu um inquérito para investigar o caso. A suposta vítima, um mulher de 36 anos, ainda acusa os policiais de tortura.

Os policiais teriam ido à residência da mulher porque ela havia sido acusada de furtar uma bolsa. A suposta vítima, que está presa, afirmou, em depoimento, que foi amarrada dentro de sua casa por um policial identificado como Cid Lima dos Santos. Em seguida, outro agente, identificado como Renan Ribeiro de Souza a teria atingido com socos, chutes e golpes com toalha molhada. O mesmo policial, ainda de acordo com o depoimento, teria cometido a agressão sexual. Um exame de corpo de delito confirmou as lesões.

Em nota, a Secretaria de Segurança afirmou que o secretário José Mariano Beltrame "determinou à CGU o máximo de rigor nas investigações relacionadas a esse caso".