Assistência Social retira 85 pessoas das ruas do Centro, Tijuca e Copacabana

Equipes de abordagem da Secretaria Municipal de Assistência Social (SMAS) realizaram três ações de acolhimento na manhã desta quinta-feira, dia 12, para o combate ao crack e retirada de população em situação de rua nas regiões do Centro, Tijuca e Copacabana. No total, foram 85 acolhimentos (74 adultos e 11 crianças e adolescentes).

A intervenção social começou às 7h, na Tijuca. Os profissionais percorreram as ruas Conde de Bonfim, Barão de Mesquita, Santo Afonso, Conde de Itanhangá, Avenida Maracanã e Praça Saens Peña, onde localizaram 21 adultos em situação de rua. Já em Copacabana, foram acolhidos oito adultos que perambulavam pelas avenidas Atlântica, Nossa Senhora de Copacabana, Barata Ribeiro e ruas Siqueira Campos e Figueiredo de Magalhães.

Na região do Centro, a SMAS voltou à Central do Brasil, onde no último mês foram realizadas nove ações semelhantes, e percorreram ainda a Avenida Presidente Vargas e regiões da Rodoviária, Estação Leopoldina, Viaduto dos Marinheiros e Candelária. No Centro, 45 adultos e 11 crianças e adolescentes aceitaram seguir com as equipes para as unidades de abrigamento do município.

Reforço na Central do Brasil

Desde a última quarta-feira, dia 11, a SMAS reforça o trabalho de enfrentamento ao crack na Central do Brasil, disponibilizando uma unidade volante para o atendimento a usuários de drogas que permanecem em situação de rua no Centro. O veículo do município permanecerá por tempo indeterminado estacionado no local. Os interessados em tratamento contra a dependência química serão atendidos pelos profissionais da SMAS e receberão orientações sobre vagas em clínicas especializadas conveniadas à Prefeitura do Rio.

Após o processo de identificação na polícia, todos os acolhidos serão encaminhados para as unidades de abrigamento da Rede de Proteção Especial do município. Os adultos irão para o abrigo de Paciência e as crianças e os adolescentes para a Central de Recepção Carioca, no Centro. Aqueles menores que forem identificados com alto grau de comprometimento com a dependência química serão conduzidos para tratamento em uma das quatro unidades de abrigamento compulsório.