Sem sirene, moradores de Teresópolis passam noite em áreas de risco 

Área de deslizamentos e desabamentos de casas no temporal de janeiro de 2011, a comunidade de Pimentel, em Teresópolis, na região serrana fluminense, voltou a sofrer com fortes chuvas na última semana, que provocaram deslizamentos e deixaram um morto. Neste ano, a situação poderia ter sido evitada, caso as sirenes instaladas pela Defesa Civil tivessem funcionado como planejado.

Mas não foi o que aconteceu. A sirene, que avisa sobre os riscos de chuva forte e deslizamentos de terra, não soou. Por isso, muitos moradores da comunidade permaneceram em suas casas, apesar do temporal e das residências estarem localizadas em área de risco.

“A chuva começou às 16h de sexta-feira. Foi uma chuva muito forte. Deu a primeira pancada, a segunda, depois continuou a chuva. Aí começaram as luzes a apagar e acender. No final, a luz apagou totalmente. O desespero foi grande. Por volta das 22h, nós subimos as ruas gritando para o pessoal descer, porque a nossa sirene deu algum problema. Foi um verdadeiro pânico aqui dentro do bairro Pimentel”, conta o presidente da Associação de Moradores, Marcos Paulo da Silva.

Segundo Silva, algumas pessoas ouviram os chamados e deixaram suas casas, deslocando-se para um ponto de apoio seguro da Defesa Civil, localizado em uma igreja. Mas nem todos. Jason da Cunha Silva resolveu ficar em casa, para desentupir a calha de seu terreno e desviar a água acumulada na parte de trás de sua casa. Foi quando o barranco atrás de sua residência deslizou sobre ele, soterrando-o

Vizinhos, como Rosimere Portela, de 38 anos, ainda tentaram ajudar a desenterrá-lo com vida, sem sucesso. “Eu estava dentro de casa, quando escutei um barulho. Olhei pela janela e vi que havia caído um pedaço do barranco. Cheguei na casa dele e um rapaz falou: 'moça, me empresta uma enxada e uma pá, porque meu filho está soterrado aqui'. Eu vim desesperada, correndo, pedindo a pá ao meu filho e desci com a pá, mas quando fui tirar ele, já tinha morrido”, afirmou Rosimere.

A própria Rosimere permaneceu em casa, com o filho, apesar da forte chuva, porque não ouviu qualquer alerta para sair. Mesma atitude tomou Ilda Pacheco da Silva, de 48 anos, que também ficou em casa porque não foi alertada.

Por pouco, Ilda não foi vítima. Um barranco desabou atrás de sua casa. “Ficamos todos deitados em cima da cama. Aí meu marido levantou e foi ver a janela. Ele disse: 'vem ver o que aconteceu aqui'. Aí eu fui para a janela. Quando eu cheguei lá tinha descido uma barreira atrás da casa. Diante disso, eu peguei meus documentos e fui para a casa da minha mãe do lado. Fiquei lá até a chuva passar. Não ouvimos nenhuma sirene”, disse.

De acordo com a prefeitura de Teresópolis, das 14 sirenes que deveriam soar na cidade, apenas quatro não soaram, entre elas a de Pimentel. Segundo a assessoria de imprensa, o acionamento é feito por SMS. Caso haja falha, núcleos comunitários de Defesa Civil têm agentes treinados para soá-las manualmente.

Não foi dada uma explicação sobre porque a sirene de Pimentel não funcionou. O prefeito Arlei Rosa diz que a Defesa Civil está vistoriando o sistema de sirenes e fará um relatório técnico ao final da vistoria.