ANP constata vazamento de óleo da Petrobras no Campo de Roncador 

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) informou nesta segunda-feira que constatou um vazamento de gotículas de óleo no Campo de Roncador, operado pela Petrobras e vizinho do Campo de Frade, onde houve vazamentos da petrolífera americana Chevron.

O ponto do vazamento no Campo do Roncador foi localizado no domingo a partir de inspeções submarinas e está situado a cerca de 500 m da fronteira com o Campo de Frade. De acordo com a ANP, até as 20h desta segunda-feira não havia identificação de manchas na superfície do mar.

Foram coletadas amostras do óleo para identificação da origem do vazamento. Os resultados devem ser obtidos em até 48 horas.

MPF pede que Chevron pague R$ 20 bi por incidente

O Ministério Público Federal (MPF) em Campos (RJ) moveu ação civil pública contra a Chevron e a empresa contratada Transocean pelo novo vazamento de óleo em 4 março de 2012. O procurador da República Eduardo Santos de Oliveira pede nova indenização de R$ 20 bilhões por danos ambientais e sociais.

A ação pede a paralisação imediata das atividades no Campo de Frade, a proibição de remessa de lucros ao exterior, tanto pelas empresas como por parte de seus diretores e agentes, e a reavaliação do Plano de Emergência Individual, já que o primeiro vazamento, ocorrido em novembro de 2011, deveria ter ocasionado alterações no procedimento. Em comunicado, a Chevron chamou de "ultrajantes" e "absurdas" as medidas. "A segunda ação judicial faz parte de uma série ultrajante de ações impetradas pelo mesmo promotor que anteriormente ajuizou ações criminais e civis igualmente absurdas. O valor de R$ 20 bilhões é arbitrário e especulativo e não está baseado em fatos", afirmou a empresa, que demonstrou confiança no reconhecimento de que "seus empregados responderam de forma responsável e apropriada ao incidente".