Cremerj vai investigar mortes no hospital  Salgado Filho

O Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (Cremerj) irá realizar uma nova vistoria ainda nesta semana no hospital municipal Salgado Filho, no Méier, zona norte do Rio. A presidente do Cremerj, Márcia Rosa de Araujo, já pediu o levantamento das fiscalizações realizadas na unidade no ano de 2010 para verificar o que consta no documento.

No ano de 2010, 363 (42,5%) dos 854 pacientes internados por mais de 24 horas na emergência do hospital morreram devido a uma infecção hospitalar. No Centro de Tratamento Intensivo (CTI), o número de vítimas fatais chegou a 30% dos 289 internados.

De acordo com Márcia Rosa, os maiores problemas nos hospitais públicos do Rio são a superlotação e falta de comunicação entre as redes, o que faz com que os doentes fiquem muito tempo no setor de emergência. 

"O espaço entre os leitos é muito pequeno e isso aumenta o risco de infecções. Além disso, por causa das superlotações, muitas vezes, os profissionais acabam não respeitando o tempo de desinfecção dos equipamentos", disse a médica.

O Cremerj divulgou em nota que se compromete a investigar o caso para saber em quais setores as mortes ocorreram.