MP militar pede prisão provisória de bombeiro detido no Rio 

O Ministério Público Militar pediu nesta quinta-feira a prisão provisória do cabo do Corpo de Bombeiros do Rio Benevenuto Daciolo. Ele foi detido no final da noite de ontem acusado de incitar ações violentas na Bahia. O pedido deve ser julgado ainda hoje pela Justiça Militar. Daciolo foi enquadrado nos crimes de incitamento e aliciação a motim e revolta.

Segundo o comandante do Corpo de Bombeiros do Rio, coronel Sérgio Simões, Daciolo poderá enfrentar até mesmo um processo de expulsão da corporação. O cabo já respondia a um Inquérito Policial Militar (IPM) por supostas ações de aliciamento de militares dos últimos meses para o grupo que defende a greve dos Bombeiros.

"O cabo Daciolo já vinha respondendo a transgressões e infrações ao Código Militar. Caso sua prisão preventiva seja decretada, ele ficará à disposição da Justiça", afirmou Simões.

Daciolo também participou do movimento ocorrido no ano passado, quando parte do efetivo cruzou os braços, e estava no grupo dos 400 homens que foram anistiados após o episódio.

Simões admitiu que a prisão do cabo pode incitar ainda mais aqueles que são favoráveis ao movimento grevista. Havia rumores de que grupos ligados a Daciolo preparavam ações de protesto dentro dos quartéis.