Jovem agredido na Ilha deixa o hospital após receber alta

O jovem espancado por cinco homens ao defender um morador de rua na última quinta-feira, na Ilha do Governador, Zona Norte da capital fluminense, teve alta do hospital nesta quarta-feira (8).

Vítor Suarez Cunha, 21 anos passou por cirurgia em que recebeu oito placas de titânio, 63 parafusos e três membranas protetoras, além de enxerto ósseo, depois de levar vários chutes na cabeça e ter múltiplas fraturas no rosto. 

Na porta do hospital, todos fizeram um "V" e disseram "Vitória" na porta do hospital. Vítor se emocionou, chorou e disse que não considera seu ato heroico. "Não fiz nada demais, fui lá conversar, faria isso amanhã, faria hoje, se visse a mesma coisa. Vi uma pessoa sendo agredida e eu pedi para parar e aconteceu o que aconteceu", afirmou.

O jovem estava internado depois de ser agredido na quinta-feira (2), ao tentar defender um mendigo importunado por cinco pessoas. Vítor levou vários chutes no rosto e uma mordida nas costas.

O quinto agressor, que estava foragido, se entregou à política na tarde desta quarta-feira (8), segundo o delegado titular da 37ª DP (Ilha do Governador), Deoclécio de Assis Filho, que investiga o caso. Outros quatro suspeitos do crime já estão presos.

O morador de rua João Araújo Teles disse à polícia que não se lembra do que aconteceu na madrugada de quinta-feira. O cirurgião Leonardo Peral afirmou que Vítor está neurologicamente perfeito, e que é preciso aguardar de duas a três semanas para que regrida o edema e os hematomas, para que seja possível ver a movimentação do globo ocular do estudante novamente, descartando, no entanto, o risco da perda da visão.

Segundo o Hospital Santa Maria Madalena, na Ilha do Governador, ele recebeu alta de acompanhamento ambulatorial e terá de retornar à unidade em dez dias.