Promotora do MP pede condenação da viúva da Mega-Sena

A promotora Priscila Naegele Xavier deu parecer favorável à condenação de Adriana Almeida, suspeita de matar o marido e ex-lavrado Renné Almeida, que ficou milionário após ganhar o prêmio da Mega-Sena em 2005. Adriana teria mandado matá-lo após descobrir, em 2007, que poderia ser excluída do testamento. O crime ocorreu em Rio Bonito, região Metropolitana do Rio de Janeiro.

Desde então, a fortuna (avaliada em cerca de R$70 milhões) passou a ser disputada pela viúva e pela filha, que receberiam cada uma 50% do patrimônio conforme o testamento do ganhador. Se condenada, Adriana perderá o direito a sua parte. 

"Adriana é gananciosa e se relacionou com Renné por causa de dinheiro. No dia 5 de janeiro, dois dias antes do crime, a viúva estava em Arraial do Cabo com seu amante e recebeu um telefonema de Anderson pedindo para que voltasse à fazenda, pois seria estranho ela não estar lá. Anderson também precisava saber onde Renné estaria." disse.

Mais cedo, a promotoria pediu a absolvição da personal-trainer Janaína de Oliveira e dos policiais militares Ronaldo Amaral, conhecido como China, e Marco Antônio Vicente porque não há provas que comprovem a participação dos três no homicídio.

"Não existem provas de participação de Ronaldo (Amaral, o China) e Marco Antonio Vicente. Já quanto a Janaína (Silva de Oliveira da Costa), o fato de ela ser esposa de Anderson Silva de Sousa (que foi apontado com autor de disparos contra a vítima) não me convence na participação do crime", afirmou a promotora. 

Até o momento, foram condenados pelo crime o ex-PM Anderson Silva de Sousa e o funcionário público Ednei Gonçalves Pereira. Os dois, que seriam ex-seguranças do milionário, deverão ficar presos por 19 anos.

Suspeita depõe na quinta

Em seu depoimento, na quinta-feira, ela disse que o relacionamento com a vítima começou na virada de 2006 para 2007, quando foram para a casa dele na Barra da Tijuca. "Gostava muito dele, era um cara muito carinhoso. Ele precisava mim e eu dele. Eu era apaixonada quando o conheci", disse. Ela negou ainda que tenha afastado o homem da família e afirmou apenas que os parentes do ganhador tinham que avisar quando fossem visitá-lo.

A respeito do testamento, ela disse que sabia que seu nome constava nele, embora desconhecesse o valor a ser recebido. "Eu sabia que estava incluída no testamento, porém não tinha ideia de quanto eu seria beneficiada."Adriana Almeida disse ainda que traía o milionário com um amante, Sérgio. "Eu traí por carência. O Renné estava com disfunção erétil. Traí apenas por satisfação sexual", disse ela.