Capitania dos Portos diz que só falará sobre batida após fim das investigações

Catamarã da Barcas S/A chocou-se contra píer e deixou, pelo menos, 55 feridos

Responsável por fiscalizar as embarcações que navegam em águas fluminenses, a Capitania dos Portos do Rio de Janeiro, questionada sobre as condições de manutenção das embarcações operadas pela Barcas S/A, afirmou, através de nota, que só comentará o assunto após o término das investigações do acidente que feriu pelo menos 55 pessoas na última segunda-feira.

Em primeira mão, o Jornal do Brasil noticiou que o Catamarã Gávea I, que na segunda-feira (28/11) bateu em um píer na Estação da Praça XV, apresentava problemas de manutenção.


>> "Barcas S/A já sabia que embarcação estava com problemas", afirma deputado

Veja a íntegra da nota:

A Capitania dos Portos do Rio de Janeiro (CPRJ) informa que os inspetores navais desta Capitania já encerraram os trabalhos referentes à coleta de dados durante perícia realizada na Barca Gávea I. Os dados instruirão parte do inquérito administrativo para apurar acidentes e fatos da navegação, instaurado na segunda-feira passada, dia 28 de novembro para apurar as causas do acidente e suas consequências, no âmbito administrativo. O referido inquérito tem previsão de conclusão de até 90 dias. 

Por ética investigativa e de forma que haja, de fato, isenção da parte dos investigadores na condução dos trabalhos relacionados a esse inquérito, incluída aí a perícia na embarcação, não se considera adequado, neste momento, a discussão dos aspectos relacionados a esses trabalhos, de modo a evitar especulações que possam, eventualmente, prejudicar os direitos de qualquer das partes envolvidas.