Defensores públicos do Estado participam da ocupação da Rocinha 

Doze defensores do Núcleo de Defesa dos Direitos Humanos da Defensoria Pública do Estado, entre outros funcionários, já estão na comunidade da Rocinha para acompanhar de perto a abordagem dos policiais e prestar assistência jurídica aos moradores.

Segundo a assessoria do órgão, os profissionais já começam a se organizar para ocupar três pontos na comunidade, que serão definidos com o apoio da Associação de Moradores da favela. 

Esta é a segunda vez que a Defensoria esteve presente no processo de instalação de uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP).

 Na ocupação do Morro da Mangueira, em junho, defensores também realizaram atendimento jurídico e monitoraram o trabalho de pacificação.