Polícia faz operação para combater corrupção em carceragens da Polinter

Policiais da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Draco) e da Corregedoria Geral Unificada (CGU) fazem uma operação para desarticular um esquema de corrupção em carceragens da Polinter no estado do Rio de Janeiro.

Estão sendo cumpridos 16 mandados de prisão e 16 de busca e apreensão. Entre os suspeitos, estão policiais. As investigações apontam a cobrança de propina para visitas e a transferência de presos. Os alvos são policiais do Núcleo de Controle de Presos (Nucop) e presos em condicional que participavam de um esquema de corrupção na Polinter de Nova Friburgo. Até o momento, dez pessoas foram presas, entre elas o delegado da Nucop, Renato Soares Vieria.

A Justiça expediu mandados de prisão contra nove policiais, seis detentos e uma servidora contratada da Nucop, que cobrariam propina em troca de vantagens em visitas a presos, transferências e permanência na Polinter.

Integram a lista de citados na investigação o delegado Renato Soares Vieria, Luiz Claudio Pereira, Ernani de Souza Gomes, Antonio Carlos Ferreira, Lucio Paulo Nunes Ribeiro, Claudemir de Souza Ferreira, Zuelandres Batista dos Santos Filho, Francisco Guilherme Araújo de Azevedo, Luiz Flávio Junior, Igor Filitex, Antonio Carlols de Jesus Fernandes, Marcelo Nazareth, Argemiro Garcia Correa, Geraldo Gorjito Farias, Eli Carneiro Machado e Tamiris Santiago da Silva.

Antonio Carlos Ferreira, um dos gerentes do esquema, não foi encontrado em sua casa em Guapimirim. No entanto, numa construção no fundo do quintal de sua residência foi apreendido um grande volume de móveis, calçados, sandálias, carteiras e outros produtos embalados. Os agentes suspeitam que o material se trata de carga roubada.