Assistência social lançará programa para jovens de comunidades com UPP

Contra o preso foi expedido um mandado de prisão temporária por homicídio qualificado

Nas próximas semanas, a Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos lançará um programa para aproximadamente 40 mil jovens que vivem nas comunidades com Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) e que tinham envolvimento com o crime ou são de famílias desagregadas.

O projeto prevê a criação de espaços da juventude para abrigar núcleos de acompanhamento dos moradores entre 15 e 19 anos de idade. A iniciativa, que começa ainda este ano e será expandido até 2014, fará com que estas pessoas recebam atendimento psicológico e ajuda de profissionais para retomar os estudos e procurar uma formação. 

Até 2012, as primeiras sete comunidades a serem beneficiadas pelo programa serão os complexos do Alemão e da Penha, Borel, Cidade de Deus, Batan, Providência e São Carlos. Em 2013, o programa deve passar a atender 12 comunidades, em 2014, 21.

A ação foi inspirada nos moldes de um programa lançado na Colômbia, há dois anos, em locais ocupados por forças de segurança. O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) financiará a quantia de R$ 190 milhões na iniciativa. 

O secretário de Assistência Social e Direitos Humanos, Rodrigo Neves, esteve em Bogotá na semana passada para conhecer o projeto. Segundo ele, a juventude é a chave para se entender e consolidar o processo de pacificação no Estado.

- Este programa, que estamos há cinco meses desenvolvendo com o pessoal do BID, tem dois tipos de acompanhamento. Um modelo mais individualizado para jovens em situação mais difícil; e um modelo formado por grupos que terão encontros constantes com profissionais - afirmou.