Após tragédia em Realengo, visitantes de escolas municipais vão usar crachás

Depois da tragédia que terminou na morte de 12 crianças em abril deste ano, quando um atirador invadiu a escola municipal Tasso da Silveira, em Realengo (Zona Oeste do Rio), a Secretaria Municipal de Educação anunciou que todos os visitantes de unidades de educação da Prefeitura vão ter que usar crachás de identificação. 

A decisão, segundo a Secretaria, vai valer para 1.065 escolas municipais, 250 creches e 47 Espaços de Desenvolvimento Infantil (EDIs) do Rio e tem como objetivo evitar outra tragédia como a da Escola Municicpal Tasso da Silveira.

Ainda este mês

Os crachás chegam às unidades ainda neste mês de outubro. Com a nova medida, o visitante terá que ser cadastrado na portaria e só poderá circular nas dependências de escolas, creches e EDIs com o crachá. A Secretaria explicou ainda que, posteriormente, os funcionários também passarão a usar crachás.