Tenente acusado de participação na morte da juíza nega crime

Apontado como um dos três envolvidos diretamente no assassinato da juíza Patrícia Acioli, 47 anos, há um mês, o tenente Daniel Benitez negou participação no crime durante depoimento ao titular da Delegacia de Homicídios, na tarde desta terça-feira (13).

O militar prestou depoimento durante três horas e quinze minutos ao delegado Felipe Ettore e se disse inocente. Segundo seu advogado Saulo Salles, Benitez esteve no Fórum de São Gonçalo no dia do crime apenas para conversar com sua advogada que, segundo ele, o defendia num outro processo por auto de resistência.

"Vamos comprovar a inocência dele (Benitez) na marcha do processo. Ele é inocente das acusações", limitou-se o advogado.

>>> PMs acusados de matar a juíza Patrícia visitaram cena do crime um mês antes

>>> Justiça determina prisão de três PMs pelo assassinato de Patrícia Acioli

>>> TJ: PMs com prisão pedida por morte de juíza não a tinham ameaçado

>>> Missas e manifestação marcam um mês da morte da juíza Patrícia Acioli

As declarações do advogado confirmam as informoções divulgadas na tarde desta segunda-feira por Felipe Ettore à imprensa. Na ocasião, Ettore informou que a juíza foi morta um pouco depois dos três PMs acusados da morte receberem uma ligação da advogada dizendo que Patrícia deveria decretar as prisões nos próximos dias. No entanto, a decisão já havia sido assinada pela magistrada antes da morte.

O advogado do tenente negou também que o acusado tenha estado próximo ao condomínio onde a juíza morava, em Piratininga, Região Oceânica de Niterói, para planejar o crime. O segundo policial acusado de envolvimento no crime já está sendo ouvido. Em seguida o terceiro envolvido também vai prestar depoimento.